Estádio 14 de Dezembro. Crédito: Marcos Antonio Santos

O Toledo é o atual vice-campeão Paranaense e em 2020 irá disputar mais uma vez a primeira divisão e mostrará para todo o Estado a lamentável estrutura do Estádio 14 de Dezembro, que há muito tempo clama por uma boa reforma.

As cadeiras no setor coberto do estádio são antigas, desconfortáveis e sujas, aliás todo o local está muito sujo e coberto por poeira. Sem contar a presença de mendigos em frente a essa Praça de Esportes. E quando tem jogo, eles entram no estádio, o que é sempre uma ameaça para quem vai assistir aos jogos, sejam do Paranaense Sub-19 ou do Campeonato Feminino.

Outra situação que precisa ser revista é a falta de uma ambulância no estádio para jogos amadores. Segundo os organizadores das partidas, a Federação Paranaense de Futebol não exige uma ambulância nos jogos. Mas será que mesmo sendo jogadores amadores e jogadoras amadoras, eles e elas não podem se machucarem gravemente e necessitarem com urgência de atendimento? Se algum acidente grave acontecer será necessário esperar pelo Samu. Quando um atleta se machuca acaba saindo de campo em cima de uma maca velha e com estrutura fragilizada. No jogo entre Toledo x Imperial (domingo 08 de setembro), pelo Paranaense Feminino, o árbitro Marcos Blank até questionou a falta de uma ambulância após uma jogadora do Imperial sair de campo chorando com uma grave contusão, mas disseram a ele que para jogos amadores não é necessário ambulância.

Outro ponto do estádio que é uma grande ameaça aos jogadores é a pista de atletismo que fica a beira do gramado. A pista hoje tem somente pedriscos, se o jogador em uma disputa de bola parar fora de campo corre um sério risco de se machucar e ficar todo ralado. Em 2012, uma comitiva vistoriou o estádio para a instalação de uma pista oficial de atletismo, entretanto ficou somente na promessa dos políticos de Toledo. Os bancos de reservas também estão em petição de miséria.

Em 2020, o 14 de Dezembro além do Paranaense também receberá jogos da Copa do Brasil e da Série D do Brasileirão. Para que o estádio fique minimamente apresentável e em boas condições precisaria de uma grande reforma que custaria um bom dinheiro. A prefeitura de Toledo responsável pelo local provavelmente não tem verba para isso, quem sabe somente uma boa limpeza. O Toledo também não dispõe de recursos para as melhorias.

A direção do time conta com a venda de pacotes para o setor das cadeiras cobertas para quem sabe realizar uma manutenção nesse setor. Mas com o valor alto para esse pacote, acima dos R$ 700,00 ficará difícil o torcedor adquirir esse ‘privilégio’, porque a estrutura oferecida pelo estádio é precária e o time ainda nem sonha em ser montado para 2020.

É bom lembrar que o torcedor toledano não é muito entusiástico pelo futebol da cidade. Na final do paranaense deste ano apenas 4,5 mil pessoas foram ao estádio, que segundo a FPF tem capacidade para pouco mais de 7 mil pessoas. A verdade é que o velho 14 de Dezembro tem capacidade para pelo menos 10 mil pessoas, mas por segurança e falta de estrutura foi reduzido para no máximo 7 mil torcedores. Os laudos técnicos do estádio, que vencem agora em novembro têm restrições nos setores de segurança e de engenharia. Futebol não pode apenas se restringir a bola na rede, precisa ter conforto e segurança para os torcedores e atletas. 

Marcos Antonio Santos. Jornalista.