Reconhecido nacionalmente pela produção agropecuária, o município de Toledo vem ganhando cada vez mais relevância também no desenvolvimento e aplicação de tecnologias para a área. Esse movimento é impulsionado pelo Biopark, que atrai empresas locais, de todo o Brasil e também internacionais. Das mais de 100 empresas que atuam no local, 30 negócios são do ramo Agro e oferecem uma extensa gama de soluções que trazem inovação para áreas como agricultura, avicultura, suinocultura, bovinocultura e piscicultura.

Uma dessas empresas é a Aquabit, fundada no Piauí e que atua com foco na piscicultura oferecendo uma ferramenta que melhora a comunicação entre frigoríficos e cooperativas com os produtores. Entre os benefícios estão o maior controle e ganho em eficiência dos processos de produção e comercialização.
O empreendedor Ailton Rodrigues, CEO da Aquabit, viu na Região Oeste do Paraná, maior produtora de peixes de cultivo do Brasil, perspectivas de crescimento. “Conheci a Região em fevereiro de 2020, quando participei do Show Rural Coopavel. Durante 15 dias fiz contato com frigoríficos e vi que meu modelo de negócio tinha campo para ser desenvolvido aqui”, explica. Atualmente a empresa atua em várias regiões do Brasil com produção de peixes e camarão.

O ingresso no Biopark representa novas possibilidades de crescimento. “Preciso entender o comportamento do mercado regional e creio que essa é uma das frentes que o Biopark vai me auxiliar. Apesar de não ser a minha primeira empresa, ainda tenho muito a aprender e acredito que com as mentorias será possível enxergar pontos de melhoria que às vezes o empreendedor não consegue ver porque está muito focado na operação. Outro ponto em que buscamos auxilio é no processo de internacionalização da empresa”, acrescenta Ailton.

Tanto para negócios já estruturados quanto para quem está entrando agora no mercado, o Biopark oferece benefícios atrativos. É o caso da Arfo, fundada em Toledo, e que recentemente lançou o seu primeiro produto no mercado: a Mini Carregadeira Tractor P800 – um equipamento de fabricação inédita no país. Com aplicações voltadas para o agronegócio e construção civil, o equipamento pesa cerca de 300 quilos, é movido a diesel e destaca-se pela multifuncionalidade. “A Mini Carregadeira pode ser utilizada em mais de 80 atividades diferentes, entre elas, como roçadeira, carregadeira, perfuratriz, como queimador de penas para aviários, espalhador de cal, e muitas outras”, explica Maikon Sakser, que fundou a empresa com o sócio Wilson Natal dias da Costa.

No Biopark, um dos objetivos da Arfo é alcançar mais visibilidade para o produto. “O Biopark é uma vitrine pra nós e, com as mentorias e suporte que recebemos, temos muito a crescer. Queremos tornar o nosso negócio mais próspero”, acrescenta Maicon.

Segundo o Diretor de Negócios do Biopark, Paulo Victor Almeida, a atuação do Empreendimento está contribuindo com as empresas e com quem tem a demanda, ou seja, toda a cadeia produtiva envolvida no agronegócio. “Nosso propósito é contribuir com o desenvolvimento da Região Oeste. Sabemos da vocação e da importância do agronegócio, por isso, criamos um Ecossistema em que as empresas podem contar com nosso total apoio para se tornarem mais escaláveis e eficientes”, explica.

O portfólio da empresa Kingdra, também residente no Biopark, já conta com sete produtos voltados a agricultores, suinocultores e cooperativas de grãos. Entre eles está o lançamento WeedVision – um sensor usado nas lavouras para pulverização que promete revolucionar o mercado. “Com inteligência artificial embarcada, por meio de uma rede neural treinada para identificação de ervas daninhas, nosso produto tem o objetivo de realizar a pulverização seletiva, ou seja, a aplicação de defensivo agrícola somente onde é realmente necessário. Isso traz uma série de benefícios para o agricultor, principalmente a economia significativa na utilização do produto propriamente dito”, explica o sócio proprietário da Kingdra, Mario Cabezaolias de Santis.

Para Mario, o ecossistema desenvolvido pelo Biopark auxilia na criação de soluções cada vez mais efetivas para o agronegócio regional. “Estar no Biopark é estar em um ecossistema que respira o setor do Agro. Com todos caminhando na mesma direção, conseguimos construir produtos inovadores ou até mesmo ajudar e aprimorar soluções e tecnologias de outras empresas, é um networking importante. Além da estrutura oferecida, as mentorias são fundamentais, pois elas nos norteiam para tornar os nossos negócios mais competitivos, é algo que não conseguimos nem precificar”, acrescenta.

“Não temos dúvida de que o número de empresas do Agro será crescente no Biopark. Esse movimento, além de trazer negócios de outros lugares do Brasil e outros países, também incentiva que empresas locais ganhem escala e visibilidade por meio dos benefícios que temos a oferecer, fazendo com que Toledo possa se destacar ainda mais no agronegócio brasileiro”, complementa Paulo.

As empresas interessadas em saber mais sobre o Programa de Residência do Biopark, podem entrar em contato pelo site www.biopark.com.br/empresas ou telefone (45) 99118-6128.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Biopark