Vós sereis minhas testemunhas. Eu estarei convosco todos os dias!

Um fio condutor percorre as leituras deste 3º Domingo depois da Páscoa; fio que nos permite penetrar cada vez mais no sentido do mistério pascal: do querigma (anúncio) que pede a mudança de uma lógica puramente humana (primeira leitura), passamos à vida vivida como critério de pertença a Deus (segunda leitura), para finalmente chegar ao testemunho do Ressuscitado (Evangelho). Trata-se do caminho da vida cristã com todos os seus componentes, caminho que, à luz da Páscoa, adquire um significado particular, porque se indica a profissão de fé em Deus criador, o Deus da vida, que tem o poder de ressuscitar Cristo e, em Cristo, todos os seres humanos, transformando-os em testemunho do seu amor.

Na conclusão de seu Evangelho, Lucas – antes da despedida – relata novamente um encontro de Jesus com seus discípulos. O convívio fraterno é um traço característico do terceiro Evangelho e é sugestivo que o tema também se repita na conclusão do Evangelho, na última refeição que Jesus faz com seus discípulos, antes de seu retorno ao Pai. A intenção do texto não está em destacar como aconteceu a ressurreição, mas iluminar o fato de que o Ressuscitado não é outro senão o Jesus de Nazaré, o crucificado.

Aos onze apóstolos, assustados e cheios de dúvida, Jesus mostra que tudo tem um sentido, tudo é graça, porque faz parte do desígnio salvífico de Deus revelado nas Escrituras. Iluminada por esta luz, a paixão-morte-ressurreição não é o fracasso de um projeto, mas a sua realização porque a Palavra da Salvação está inscrita até na morte. Sob esta ótica devem ser compreendidas a conversão e o perdão dos pecados que o Ressuscitado confia ao testemunho dos apóstolos. Para o evangelista Lucas, converter é voltar a ler a própria vida no contexto do plano divino da Salvação.

Trata-se do projeto que o Pai desenhou para todos os povos, mas sobretudo para os filhos que abandonaram a casa do Pai (filho pródigo), os pecadores públicos (Lc 7), os fariseus que se consideram justos desprezando os outros (Lc 7), os ricos que acumularam bens para si (Lc 16 e Lc 19), os criminosos crucificados (Lc 23). A todos é dado um novo começo.

“Vós sois testemunhas disso” é a frase final. Deste modo, onze homens – e com eles os fiéis de todas as gerações – são responsabilizados pela obra de Jesus: o Reino de Deus, o anúncio da conversão e do perdão, tornar-se-ão fermento graças ao testemunho dos discípulos e discípulas do Cristo morto e ressuscitado. Não se trata apenas de ensinar, mas de testemunhar, porque a fé nasce do envolvimento pessoal no destino da Palavra. Não se testemunha algo, mas se testemunha Alguém. É o que o evangelista Lucas mostra desde o início nos Atos dos Apóstolos, seu segundo livro, quando conta a história de Estêvão, a testemunha que perdoa. A Páscoa torna-se assim uma nova possibilidade, dada a um mundo em agonia, de assumir a utopia como estilo de vida. Uma utopia, é claro, fundada não em especulações humanas, mas na certeza de que Deus venceu a morte.

Neste Tempo Pascal somos convidados a renovar nossas vidas e de nossas comunidades cristãs. Todo domingo é dia de festa e de alegria. Como aconteceu com os apóstolos, Jesus está no centro da comunidade reunida em seu nome. É ali que renovamos nossas forças. Precisamos deste momento. Vivemos em um mundo que perde o rumo, que é capaz do melhor e do pior. Deus nos oferece a direção correta. É neste mundo que somos enviados para ser testemunhas do amor e da alegria de Deus.

Neste dia peçamos ao Senhor Ressuscitado que abra nossas mentes para entender as Escrituras e que Ele faça de todos nós testemunhas e mensageiros do amor que vem de Deus. Amém.

Dom João Carlos Seneme, css

Bispo de Toledo

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Facebook
Twitter
Youtube
Instagram