Vinde, Espírito Divino, enchei com vossos dons os corações dos fiéis

    A festa de Pentecostes é a interpretação cristã da festa das tendas, celebrada pelos judeus. Neste dia eles recordavam o tempo em que eram nômades e viviam em tendas e Deus caminhava com eles. Era tempo da colheita do trigo e eles ofereciam os primeiros frutos ao Senhor como sinal de agradecimento. Com o tempo, introduziram a celebração da aliança de Deus com o seu povo através da Torá (= mandamentos, os cinco primeiros livros da Bíblia). 

    Para Israel Pentecostes era a festa das primícias e do mundo novo que brotava das cinzas. A vinda do Espírito sobre a primeira comunidade cristã constitui a origem de um caminho novo, fecundo, à luz do Ressuscitado; um caminho de liberdade, que se abre a todos os povos de todas as etnias e todas as línguas, para torná-los uma só família: a família de Deus.

    O texto do Evangelho deste domingo retoma o mandamento do amor justamente quando Jesus concede o dom do Espírito Santo! É sua herança mais verdadeira: Não vos deixarei só. Pedirei ao Pai e Ele vos dará o Paráclito, para que fique eternamente convosco. O Espírito de Deus é o amor personificado. Naquela manhã, em Jerusalém, os discípulos sentiram concretamente o amor de Deus entrando em suas vidas e transformando-os em homens novos. Não importava a fragilidade que tinham, o medo; naquele momento eram recriados como criaturas novas pela força do amor do Espírito Santo para ser testemunha do Senhor Ressuscitado: Ide pelo mundo, pregai o Evangelho a toda criatura. Com suas línguas de fogo, o Espírito fez aparecer a Igreja, corpo vivo de Cristo. Nós, que somos a Igreja, somos corpo vivo de Cristo pelo Espírito Santo.

    A cada Eucaristia, o Espírito Santo desce sobre o altar e transforma o pão e o vinho em corpo e sangue vivo de Cristo. E um dia, no fim do mundo, o Espírito virá e dará vida aos nossos corpos mortais e nos fará ressurgir para a vida eterna.

    Pentecostes, cinquenta dias depois da Páscoa, explosão de amor de Deus sobre sua Igreja para que seus filhos e filhas assumam com coragem e alegria sua vocação para o amor, o encontro, a união, a fraternidade. “Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fieis e acendei neles o fogo do vosso amor e renovai a face da terra”. Ficar cheio do Espírito Santo é ficar cheio do Amor que é Deus. A síntese é de Santo Agostinho: “O Pai é Aquele que ama. O Filho é o Amado. O Espírito Santo é o Amor”. O amor de Deus foi derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. (Rm 5,5).

    É assim que nasce a Igreja: Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho como se fosse uma forte ventania, que encheu a casa onde eles se encontravam. De um lado o Espírito Santo age impulsionando a Igreja para fora (vocação missionária), para abraçar na sua unidade um número sempre maior de povos e culturas, e, de outro lado, para dentro, para fortalecer na unidade.

    Deixemo-nos conduzir pela presença do Ressuscitado em nossas comunidades, só assim seremos promotores de paz, semeando o amor que Deus nos concedeu. Que a festa de Pentecostes nos anime a retomarmos com novo ardor o caminho de Jesus Cristo, vivendo o evangelho em nossas vidas e anunciando-o onde a vida se encontra ameaçada.

    Dom João Carlos Seneme, css

    Bispo de Toledo

    Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
    Facebook
    Twitter
    Youtube
    Instagram