A chefe da Divisão de Hemoterapia do Hemepar, Renata Pavese, é a convidada do programa Assembleia Entrevista desta sexta-feira (25).

Experimento consiste em utilizar parte líquida do sangue coletada de pacientes recuperados para evitar o agravamento da doença em novos infectados

O uso do plasma (parte líquida do sangue) para combater o novo coronavírus tem dado resultados animadores no Paraná. O projeto-piloto desenvolvido pelo Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) permite a utilização do líquido como procedimento experimental no combate ao vírus. O experimento consiste em utilizar o plasma convalescente coletado de pacientes que se recuperaram da doença e utilizar em novos infectados. “Os pacientes já estão recebendo estes plasmas e estamos tendo resultados positivos em relação a esta terapia”, revelou a chefe da Divisão de Hemoterapia do Hemepar, Renata Pavese, em entrevista ao programa Assembleia Entrevista, da TV Assembleia.

Segundo Renata, a injeção de plasma já com os anticorpos de quem se recuperou da infecção permite a criação de uma barreira protetora em quem recebe o sangue. O objetivo é evitar que a doença tenha um agravamento e, em muitos casos, a necessidade de uma transferência para unidade de terapia intensiva (UTI). “O plasma não oferece a cura, mas minimiza o agravamento. Evita que paciente vá para uma UTI, por exemplo”, explicou ela.

De acordo com o Hemepar, 40 pessoas já foram beneficiadas pela técnica, todos com um índice de 100% de reação positiva. “O plasma é a porção líquida do sangue, onde estão contidos anticorpos de pacientes já recuperados da covid-19. Ele é rico em anticorpos”, disse Renata Pavese.

Os estudos começaram a ser desenvolvidos pelo Hemepar em março. Agora, uma campanha pretende angariar mais doadores. A intenção é conseguir de 10 a 15 doações por dia, em todas as 23 unidades que formam a rede do Hemepar no Estado. Os doadores de plasma têm de ter critérios específicos, além dos já exigidos para doadores normais de sangue, as pessoas devem ter entre 16 e 59 anos. Entre as mulheres, só podem doar as que não estiveram grávidas. Os doadores também não podem nunca ter se submetido à ventilação mecânica ou recebido transfusão de sangue na vida. Quem pretende doar plasma também deve levar impresso o exame positivo de covid-19. As doações têm de ocorrer a partir de 45 dias após o diagnóstico do coronavírus, com um prazo que não ultrapasse 180 dias.

Estoques baixos – Por causa do novo coronavírus, os estoques de sangue do Hemepar estão baixos. Por isso, Renata Pavese convida a todos para doarem. De acordo com ela, o Hemepar oferece um ambiente seguro para os doadores. “Não é necessário ter receio de vir doar sangue. O Hemepar está preparado, tomando todas as precauções necessárias”, explicou.

Entre os cuidados, o local não permite a lotação das unidades, adota práticas de distanciamento, verifica a temperatura de todos, além de obrigar a utilização de máscara e de álcool gel. Também é realizada a desinfecção das bancadas entre uma doação e outra. “Lembrando que o banco de sangue é um local de pessoas sadias. Apenas pessoas sadias podem doar, mesmo assim estamos tomando as precauções. Todo processo leva entre 45 minutos a uma hora. O procedimento é tranquilo e seguro”, lembrou.

A seleção dos doadores de plasma é realizada presencialmente e os interessados devem fazer o agendamento pelo fone (41) 3281-4074, em Curitiba, ou nas unidades do Hemepar no interior do Estado. Já as doações de sangue podem ser feitas após o agendamento, no site www.saude.pr.gov.br/Pagina/Doacao-de-Sangue.

A íntegra do programa com a chefe da Divisão de Hemoterapia do Hemepar, Renata Pavese, pode ser assistida pela TV Assembleia, através da Claro/Net canal 16 e 10.2 em canal aberto e também no canal do Youtube nesta sexta-feira (25) a partir das 16 horas.

Fonte: Assessoria