Uma voz grita no deserto: preparai o caminho para o Senhor

A liturgia da Palavra deste 2º Domingo do Advento é marcada por símbolos de sabedoria e poesia; fazem parte da Bíblia e também da cultura humana porque se referem à sabedoria de Deus e a verdade do ser humano. O deserto, o caminho e a voz evocam o caminho da vida com suas luzes e sombras, crises e esperança; uma existência, muitas vezes, semelhante a um deserto estéril, onde, de repente, quase por mágica, uma voz ressoa anunciando a boa nova. O deserto, uma região grande e assustadora, um lugar de perigo e silêncio, de fome, sede e tempestades de areia, lugar de lobos e escorpiões, de poderes adversos à vida humana… se transforma em um símbolo de amor e vida quando Deus abre um caminho, faz correr água e faz descer o pão do céu.

O início do Evangelho de Marcos apresenta o novo capítulo que Deus escreve na história do seu povo e na vida humana. O novo capítulo se intitula “Jesus Cristo, Filho de Deus”, apresentado por Marcos como o Senhor para quem é preparado um caminho no deserto.

O deserto de que falamos aqui não é um lugar geográfico, ainda que o contexto nos permita identificá-lo com o deserto de Judá, um lugar que faz parte da história de Israel. Em todas as culturas, o deserto assumiu um claro valor simbólico, denotando a ausência de relações, o lockdown do isolamento, o andar sem rumo. Desertos são também aqueles criados pela nossa civilização: solidão que habitam as nossas cidades e lares. O deserto lembra a situação precária que marca a vida humana, a fragilidade dos projetos. No deserto, o trabalho das mãos humanas é constantemente medido pela inatividade e pelo fracasso.

E ainda, o deserto, uma experiência de fraqueza e nudez, é também uma lembrança do que realmente faz o homem viver. O deserto relembra as questões de sentido que permeiam a experiência humana do início ao fim: por que estamos aqui? Quais são os valores que nos fazem viver?

A humanidade sai bem busca de caminhos diferentes para encontrar uma resposta a essas perguntas. Uma resposta é oferecida pela boa nova de Marcos: uma voz que clama preparai o caminho do Senhor. A voz, em Marcos, se refere às palavras dos profetas e à voz de João Batista que os representa, mas acima de tudo se refere ao profundo vínculo de aliança que unia Deus e seu povo no monte Horeb, quando Deus fez sua voz ser ouvida do céu (Dt 4, 36).

Aqui está o sentido e o motivo da boa nova anunciada por Marcos: à humanidade que vive na solidão do deserto e está em busca, Deus não deixa faltar a sua voz.

Oxalá, ouvísseis hoje a sua voz, proclama o salmo 95. A voz, portanto, pede escuta e obediência. O batismo de conversão, que João Batista administra no deserto, diz precisamente isto: Deus não te deixará só no deserto da vida, se ouvires a sua voz.

O Senhor vem. Porem somente se prepararmos o caminho: sua vinda será um encontro de Salvação. A mensagem, que chega até nós hoje pela boca de João Batista, indica conversão a Deus e empenho na missão de testemunhar. Como João devemos ser uma voz que grita para anunciar Cristo ao mundo.

Dom João Carlos Seneme, css

Bispo de Toledo

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Facebook
Twitter
Youtube
Instagram