O Sistema FAEP/SENAR-PR lançou uma cartilha em que expõe os riscos causados por javalis em diversos âmbitos e que acabam por implicar em prejuízos econômicos, ambientais e sanitários. Disponibilizado gratuitamente no site da entidade (www.sistemafaep.org.br), o material tem caráter orientativo e contempla desde o histórico do animal selvagem no Brasil até as normas para o controle populacional por meio da caça. A elaboração atende demandas surgidas em reunião da Comissão Técnica de Suinocultura da FAEP.

Para acessar a cartilha:

Conforme o mapeamento mais recente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), os javalis estão presentes em pelo menos 88 municípios do Paraná. No ano passado, o Boletim Informativo trouxe uma matéria especial, com relato de produtores rurais que contaram de prejuízos causados pelos javalis, que devastaram lavouras e atacaram rebanhos. Ainda, o javali representa uma ameaça ao status sanitário por ser transmissor de doenças virais como Peste Suína Africana (PSA) e Peste Suína Clássica (PSC).

Além de expor riscos, a cartilha traz uma série de orientações aos produtores e ao público em geral e que dimensiona essa questão dos javalis, animais que trazem prejuízos à economia paranaense, além de oferecer riscos diretos às pessoas”, diz a técnica do Departamento Técnico (Detec) do Sistema FAEP/SENAR-PR Nicolle Wilsek.

Ao longo da cartilha, o produtor rural vai aprender a diferenciar os javalis e os javaporcos (cruzamento de porcos domésticos com javalis), ambos animais exóticos, de catetos e queixadas, que são nativos. O material também lista todas as legislações relacionadas ao controle desses animais – única espécie cuja caça é permitida, desde que seguindo a requisitos estabelecidos em lei e com autorização do Ibama, órgão responsável pelas políticas de controle.

Fonte: Coamo