Foto: Divulgação/Comunicação Biopark

Ação inédita, monitora comportamento da fauna e atua em medidas mitigadoras

O Biopark tem gerado importantes impactos no desenvolvimento econômico e social da Região Oeste. Mas, além de ações nas áreas de educação, pesquisa e negócios, o Empreendimento tem fortalecido medidas sustentáveis e preservacionistas, entre elas, uma iniciativa inédita para monitoramento da fauna no seu entorno.

As ações incluem registro e acompanhamento de animais no território do Parque e seus arredores, sendo os dados utilizados em relatórios mensais que vão embasar ações promovidas pelo Biopark. A campanha de monitoramento mais recente foi realizada em outubro de 2020 e foram identificadas sete espécies de anfíbios, duas espécies de répteis, 80 espécies de aves, 14 espécies de mamíferos e 15 espécies de peixes.

“Os dados coletados periodicamente são fundamentais para embasar ações de  preservação e manutenção da vida animal dentro e nos arredores do território. Ressalta-se que a continuidade do programa de monitoramento de fauna é de extrema importância para o contexto ambiental da região, para mensurar e mitigar possíveis impactos”, explica Thiago Bana Schuba, técnico que auxilia no monitoramento e ações. 

O monitoramento também embasa ações para evitar possíveis atropelamentos de animais, estabelecendo dados que podem servir de fonte para planejamento viário. “Em áreas próximas a rodovias, com tráfego intenso de veículos, há riscos de atropelamento de animais. Dessa forma, o monitoramento, além de uma ação ambiental, torna-se uma ferramenta importante até mesmo para que órgãos viários identifiquem, a partir dos dados, a necessidade de pontos para construção de ‘passa fauna’, por exemplo”, acrescenta Thiago. 

Por meio do Programa é feito um monitoramento na rodovia PR-182, incluindo trechos que vão da entrada do Biopark até o acesso à Pérola Independente, Vila Nova e Toledo, bem como entre Toledo e Bragantina. Cada área é monitorada por três dias consecutivos, com uma amostragem no período da manhã e outra no período da tarde. Quando são encontrados animais atropelados é feito o registro fotográfico, identificação do animal, classificação do entorno quanto ao tipo de ambiente e registro do ponto de atropelamento por meio de GPS.

Periodicamente também são realizadas outras ações no âmbito dos programas de monitoramento da fauna terrestre e aquática, incluindo resgate, afugentamento, salvamento e monitoramento da fauna realocada, resgate de flora e controle da supressão da cobertura vegetal. As ações fazem parte do Plano Básico Ambiental (PBA), que atende o processo de licenciamento ambiental de instalação da Fase 1 do Biopark junto ao IAT (Instituto Água e Terra).

Fonte: Assessoria