Viveiro do criadouro de aves silvestres localizado em Toledo. Foto: Divulgação

Da Redação

Uma notícia animadora e que nos enche de esperança chega de um refúgio para pássaros localizado em Toledo: a chegada de uma arara, a primeira ave da espécie nascida em viveiro no município.

Apesar de se tratar de um criadouro comercial, o local também foi construído para abrigar aves resgatadas das mãos de traficantes de animais e vítimas de outras situações de maus-tratos. Esse refúgio está situado em uma propriedade rural em Cerro da Lola, onde funciona o Criadouro Comercial de Aves Silvestres Bom Jesus.

No sítio, reside com sua família Dionatan Grando, um apaixonado pela natureza e defensor dos animais. Idealizador do criadouro de aves, ele obteve autorização do Ibama e há quatro anos se dedica à tarefa de criar pássaros, além de proteger aqueles que são resgatados pelo próprio Ibama, pelo IAT e também pela Polícia Ambiental.

As aves que não têm condições de retornar à natureza são encaminhadas para o criadouro, como o casal de araras canindé que chegou há três meses do Mato Grosso. Resgatadas pelo Ibama em Cuiabá, as araras se adaptaram tão bem ao refúgio que não tardaram a se procriar. O novo morador do Sítio Bom Jesus se soma às outras 120 aves, aproximadamente, cuidadas pela família Grando, entre araras, tucanos e maracanãs.

Assista a seguir, o vídeo em que o filhote aparece junto aos pais:

Apesar de o filhote ter nascido em 25 de agosto, só agora foram obtidas suas primeiras imagens, já que os pais são superprotetores e não deixam ninguém se aproximar do abrigo onde a ararinha está protegida.

Sem esconder a emoção, Dionatan diz que “é uma felicidade muito grande [ter] esse filhote de arara”. “É o primeiro que nasceu no criadouro e o primeiro também a nascer no município. É uma vitória dupla”, diz, reconhecendo a dificuldade dessa espécie em se reproduzir em cativeiro. Essa reprodução é tão difícil de acontecer que dos três ovos postos pela arara mãe, só um vingou.

A seguir, conheça um pouco do criadouro e alguns de seus habitantes:

Preservar custa caro

Apesar da paixão e da consciência ambiental, Dionatan revela que o custo para a manutenção do criadouro é alto e que depende, entre outras fontes de renda, da comercialização das aves para obter recursos. Outro meio é a venda de estátuas que ele produz, réplicas de aves e outros animais selvagens, como onças.

O criadouro é um projeto em construção, que está com apenas 10% do seu total pronto, sendo que 100% dessa área está cheia, sem espaço para receber mais aves.

Benfeitor da natureza, Dionatan continuará expandindo a área destinada aos animais e no futuro pretende desenvolver atividades de educação ambiental. Sua intenção é abrir o sítio para visitações, em especial para as crianças da rede municipal de ensino. A preservação das espécies depende da conscientização das futuras gerações e o criador de aves acredita que mostrar a situação a que as aves são submetidas pelos traficantes de animais poderá causar impacto e comover os mais jovens.

Tratativas para pôr em prática essa iniciativa, já estão sendo feitas com o prefeito, a secretária municipal de Educação e o gestor da pasta do Meio Ambiente.

Embora o estado em que muitos pássaros chegam ao sítio seja lastimável, lá eles encontram carinho e os cuidados necessários para se recuperarem, como aconteceu com os pais da ararinha que é nova sensação do criadouro Bom Jesus.

No vídeo abaixo, Dionatan fala sobre o trabalho que desenvolve no criadouro: