Foto: Ricardo Morante/Secom

A crise hídrica vivida no Paraná motivou uma reunião emergencial em Toledo. Com a presença de representantes do Executivo, do Legislativo, associações e de empresas integradoras e cooperativas, a Prefeitura posicionou o que o município tem feito para minimizar o impacto da falta de chuvas. O encontro foi realizado no Auditório Acary de Oliveira, nesta quarta-feira (15). As situações mais graves estão localizadas em São Salvador, Cerro da Lola e Dez de Maio.

O prefeito Beto Lunitti apresentou uma panorama da situação vivida, em especial, no interior do município. De acordo com o gestor municipal, a gravidade da situação inspira ações urgentes e a administração municipal tem buscado coordenar estes trabalhos e auxiliar os locais onde falta água.. “A crise hídrica, em especial no setor agropecuário, é um fato preocupante. A Prefeitura não se furta do seu papel de articular e buscar soluções, porém, a situação é emergencial e depende do envolvimento de todos”. 

Algumas comunidades, em especial da região de Cerro da Lola, São Salvador e Dez de Maio já tem propriedades sendo atendidas com caminhão pipa. Neste momento, a Secretaria de Infraestrutura Rural distribui aproximadamente 30 mil litros de água/dia para algumas regiões mais castigadas pela falta de chuvas. “Estamos estudando formas de continuar mantendo o abastecimento das propriedades já atendidas e nossa preocupação é que esta situação se amplie, pois não temos previsão de grandes volumes de chuvas”, explica o secretário da pasta Maicon Stuani.

As empresas e cooperativas realizarão um mapeamento das suas integradas, para identificar propriedades mais atingidas e tentar formas de auxiliar na distribuição de água. Também serão observadas situações onde é possível a utilização de água não potável para limpeza de pocilgas. “É preciso fazer o uso racional dos recursos, pois as previsões apontam demora para normalizar o abastecimento. Isso em curto prazo. A médio e longo, precisamos começar a pensar na possibilidade de cisternas e outros tipos de reservatórios para diminuir o problema em períodos de estiagem”, afirmou a presidente da Associação Regional de Suinocultores do Oeste (Assuinoeste), Geni Potkova Bamberg.

Lunitti afirmou ainda que o município trabalha com uma licitação emergencial para registro de preços visando a contratação de caminhões pipa. “Estamos auxiliando dentro do que é possível e contamos com a mobilização também da sociedade para economizar água. Comunidades, como a de São Salvador, secou o poço de mais de 270 metros que atendia os moradores. A situação é preocupante e não estamos medindo esforços para auxiliar a população”, comentou.

Abastecimento Urbano – Para o consumo humano, de acordo com o coordenador de Planejamento e Administração da Regional de Toledo da Sanepar, João Carlos Lopes, que participou da reunião, o abastecimento ainda está se mantendo sem a necessidade de ações de interrupções. Porém a empresa monitora o cenário diariamente. “Os nossos poços artesianos estão mantendo a produção e a captação no Rio São Francisco ainda não foi comprometida. Por enquanto não cogitamos racionamento ou rodízio, mas é preciso que a população faça o uso consciente da água”, alerta.

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação