Segundo vice-presidente do POD e coordenador da Câmara Técnica de Sanidade Animal, Elias Zideck. Foto: Divulgação/Programa Oeste em Desenvolvimento

Não é uma luta recente, mas os últimos cinco anos foram decisivos para que o Paraná obtivesse o Certificado Internacional de área livre de febre aftosa sem vacinação, concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal – OIE. O Programa Oeste em Desenvolvimento (POD) protagonizou a luta por essa conquista que será oficialmente entregue no dia 27 de maio de 2021, quinta-feira, às 14h00, no Palácio do Iguaçu, presidida pelo Governador Ratinho Júnior. O evento será de forma híbrida e poderá ser acompanhado virtualmente por causa da Pandemia. 

O POD será representado na ocasião pelo segundo vice-presidente e coordenador da Câmara Técnica de   Sanidade Animal, Elias Zideck, um dos grandes entusiastas na luta contra a aftosa e que acompanhou desde o princípio todo o processo que envolveu desde a discussão de estratégias até investimentos para que a certificação fosse possível. “Foi um trabalho realizado com muitas parcerias, articulação e empenho por entidades com o importante objetivo de trazer o respeito e a credibilidade que o esse setor produtivo merece por produzir com excelência.

Zideck afirma que é um novo momento para a produção tanto da Região Oeste como para o Estado do Paraná. “Essa é a garantia oficial aos olhos do mundo de que estamos produzindo alimentos seguros. Isso também permitirá dobrar essa produção que vai acelerar nossa economia, geração de emprego e renda além de todos os demais impactos positivos que serão possíveis com essa certificação”, afirma.

“Esse momento coroa mais de 50 anos de esforço da sociedade paranaense e o POD tem um imenso orgulho de partilhar essa conquista que teve um esforço extraordinário da Região Oeste do Estado, capitaneado pelo Programa Oeste em Desenvolvimento que não mediu esforços para agregar outras entidades e lideranças para que todo o necessário pudesse ser feito”, reconhece Elias Zideck.

RECONHECIMENTO – O presidente do POD, Rainer Zielasko, ressaltou que a conquista é um marco e a comprovação de que o esforço organizado e coordenado é uma estratégia infalível. “Essa certificação muda tudo e possibilita que o setor de fato mostre toda sua capacidade e potencial. Todo meu reconhecimento para todos que dedicaram muito do seus conhecimentos e experiências para que essa grande conquista fosse possível”, declara Rainer Zielasko.

BRASIL – A expectativa é que todo o país esteja totalmente livre da aftosa sem vacinação até 2026, conforme meta prevista no PNEFA, o que trará mais benefícios econômicos a toda a nação, possibilitando a ampliação da exportação de produtos de origem animal e diminuindo custos aos produtores rurais brasileiros. A erradicação da doença no Brasil é uma luta que ocorre nos últimos sessenta anos.

Confira abaixo a declaração de Elias Zideck:

LUTA E RECONHECIMENTO – Como reconhecimento internacional como Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação, o Paraná receberá o certificado, emitido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Esse é o desfecho de uma luta de mais de 50 anos do Estado contra a doença e representa uma conquista histórica para o setor agropecuário paranaense.

O Paraná já é o maior produtor e exportador de produtos de origem animal do País e a partir desta quinta-feira poderá alcançar mercados inéditos, como Japão, México e Coreia do Sul. O último foco de aftosa no Paraná foi em 2006 e, desde então, o Governo do Estado trabalha para aumentar o controle sanitário. A vacinação nos rebanhos de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa foi interrompida em 31 de outubro de 2019 e deu lugar a um amplo trabalho de cadastramento.

Com informações do POD e da AEN.