O Núcleo de Desenvolvimento Regional (NDR), composto pelo curso de Ciências Econômicas e pelos programas de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio (PGDRA) e Pós-graduação em Economia (PGE) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) Campus de Toledo, divulgou os resultados da Pesquisa da cesta básica de alimentos para o município de Toledo referente ao mês de julho de 2021.

Os resultados da Pesquisa da cesta básica de alimentos de Toledo divulgados anteriormente mostraram que, entre abril e maio, ocorreu um aumento no custo da cesta básica individual de 0,81% e, entre maio e junho, houve uma redução de -0,55%. Já no período entre junho e julho ocorreu um aumento de 5,48%, que é muito significativo em relação aos períodos anteriores. O custo da cesta básica individual passou de R$489,84 em junho para R$516,70 em julho.

Assim como na cesta básica individual, houve aumento de 5,48% no custo da cesta básica familiar, passando de R$1.469,52 em junho para R$ 1.550,11 em julho. Um trabalhador que ganha um salário-mínimo não teria condições de adquirir a cesta básica familiar, uma vez que o valor de R$1.550,11 ultrapassa o valor do salário-mínimo vigente em 52,34%, não conseguindo arcar com as demais despesas domiciliares mensais.

Os produtos que apresentaram aumento no preço médio entre junho e julho foram o tomate (57,94%), o café (14,32%), a margarina (12,26%), o leite (4,40%), a carne (4,05%), açúcar (3,49%) e a batata (1,56%). Por sua vez, os produtos que apresentaram redução no preço médio foram o arroz (-6,71%), o pão francês (-5%), a banana (-4,53%), o óleo de soja (-4,06%), o feijão (-3,97%) e a farinha de trigo (-1,62%). Considerando o aumento de 5,48% no custo da cesta básica de alimentos de Toledo, observa-se que o tomate teve o maior impacto, representando 3,96 pontos, seguido da carne com 1,98 ponto.

O valor do salário-mínimo necessário para adquirir a cesta básica e suprir as despesas domiciliares mensais referentes à habitação, ao vestuário, ao transporte, entre outras, em julho deveria ser de R$4.340,83. Ao comparar o salário-mínimo necessário de Toledo e a média nacional para o mês de julho, observa-se que o valor nacional seria 27,14% maior que o de Toledo. Deve-se levar em consideração que o salário-mínimo necessário de Toledo corresponde a 3,95 vezes o piso nacional vigente, que é de R$1.110,00.

No mês de julho, o custo da cesta básica de alimentos de Toledo foi maior que o de Recife, Pato Branco, Francisco Beltrão e Dois Vizinhos e mais barata que as demais, incluindo Cascavel e outras capitais selecionadas. Comparando Toledo (R$516,70) com Cascavel (R$532,89), a diferença é de 3,13% e em relação a Porto Alegre (R$ 656,92), que tem o custo mais alto, a diferença é 27,13% menor.

Acessar a pesquisa completa: https://www.unioeste.br/portal/nucleos-toledo/ndr/510-campus-toledo/nucleos/ndr/57548-pesquisa-da-cesta-basica-de-alimentos-toledo-pr

Fonte: Assessoria de Comunicação da Unioeste