Foto: Dvulgação/Secom

A melhoria no transporte público tem pautado diversas reuniões da administração municipal. A necessidade, por força de contrato, de equilíbrio financeiro em relação à concessão dos serviços custou aos cofres municipais, em 2020, aproximadamente R$ 2 milhões pagos à empresa pelos efeitos das restrições da pandemia no transporte coletivo. Em 2021, novamente foram apresentadas planilhas para equacionar as despesas e receitas da prestadora. Serão atendidos aproximadamente 5 mil pessoas com o benefício.

Diante da situação, o Governo Municipal buscou solução para que a população também seja beneficiada com os aportes. Como compensação ao pagamento, a Prefeitura propôs a ampliação do atendimento e a implantação do ‘Passe Social’. A intenção é realizar um repasse de R$ 500 mil/mês, até o final do ano, e reverter este recursos em diminuição do valor da passagem em 10%, trazendo economia para os trabalhadores e demais usuários do transporte público, e a destinação de passes livres para munícipes em tratamento de saúde ou acompanhados pelos serviços de assistência social, além de atletas (por meio do programa Passe Atleta) e demais situações desde que comprovada a necessidade do transporte. 

Atendimento ao interior

Outra novidade discutida com a empresa é o atendimento ao interior. Serão disponibilizadas linhas entre os distritos e a sede, passando por comunidades, para que as pessoas possam ter mais mobilidade. “Os preços serão próximos aos praticados no perímetro urbano, porém ainda não está batido o martelo sobre o valor. O que podemos adiantar é que estas linhas terão como ponto final o Terminal Urbano Luiz Grando, junto à rodoviária [Terminal Rodoviário Alcido Leonardi], onde poderá ser feita a integração com o transporte urbano. Por exemplo, se tivermos alguém que venha de Bom Princípio. Esse cidadão poderá desembarcar e embarcar para a Vila Pioneira, ou para o Jardim Coopagro, sem precisar pagar uma nova passagem”, explicou Beto Lunitti.

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação