A onça Cacira, mãe da Angá e do Sapeca, apresentou os filhotes aos biólogos do Projeto Onças do Iguaçu. A família foi flagrada pelas câmeras do Projeto, no dia 18 de agosto, e agora a imagem foi compartilhada nos perfis do Onças do Iguaçu nas redes sociais.

A fêmea passeia tranquila com as “crianças” que, pelos cálculos dos biólogos, têm entre sete e oito meses de idade. 

Mais dois? A bióloga Yara Barros disse que geralmente quando são compartilhadas informações sobre novas onças no parque, as pessoas perguntam se não tem muita onça na área.

“Quem dera, mas não é bem assim! Não podemos esquecer que se temos oncinhas chegando, também temos onças saindo do Parque. Várias onças que foram registradas ao longo do tempo já não são mais vistas por aqui.”

Yara também lembrou que em condições normais, uma onça pode viver cerca de 12 anos na natureza, mas antes disso elas podem morrer por doenças, disputas de território e pela ação de caçadores.

“Infelizmente nem todas as oncinhas que nascem chegam a se tornar adultas”, lamentou.

Yara também comentou que o importante é celebrar a vida dessas duas oncinhas e da Cacira.

“Que o Parque Nacional do Iguaçu, esse santuário para as nossas onças, possa ver esses dois filhotinhos crescerem majestosos saracoteando pelas suas matas.”

Pelas estimativas de 2018, 28 onças vivem no Parque Nacional do Iguaçu. Os dados de 2020 ainda não foram totalizados.

Clique abaixo e assista o registro do passeio da onça Cacira com os filhotes:

Por Cris Loose, com informações do Projeto Onças do Iguaçu