Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Senador é autor do projeto de lei que busca autorizar a produção de vacinas contra a Covid-19 no Brasil pelas indústrias de fabricação de produtos de uso veterinário

Senador Wellington Fagundes. Foto: Reprodução/FPA

Relator da comissão do Senado que monitora as ações de combate à pandemia (CTCOVID19) no país, o senador Wellington Fagundes (PL-MT), destacou nesta terça-feira (20), em reunião por videoconferência, da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), que as fábricas de vacinas de saúde animal podem ajudar na produção de imunizantes contra a Covid-19.

No Brasil, as únicas produtoras das vacinas contra a Covid-19 – a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantan – estão enfrentando dificuldades para cumprir os cronogramas de produção dos imunizantes. O senador acredita que “o agro vai salvar o país produzindo vacinas” e explica que “o Brasil conta com 22 plantas de produção de vacinas para uso em animais”.

O parlamentar ressaltou que a comissão está em contínua troca de informações com a indústria e o Governo Federal para a transferência de tecnologia em busca de autonomia na produção da vacina e conta que tem feito muitas reuniões. “Procuramos a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o Ministério da Saúde e o Presidente da República”.

Segundo o senador, o maior benefício neste processo foi a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar a produção de vacinas, em caráter emergencial, por parte dos laboratórios e das indústrias veterinárias, que continuariam sendo reguladas pelo MAPA e a Anvisa ficaria na parte final. “Ou seja, depois do produto pronto, a Anvisa será responsável por fazer o controle de qualidade.”

Autor do projeto de lei (1343/21) que dispõe sobre a autorização para que estruturas industriais destinadas à fabricação de produtos de uso veterinário sejam utilizadas na produção de vacinas contra a Covid-19 no Brasil, o parlamentar enfatiza que tem um compromisso do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para colocar a proposta em votação na próxima quinta-feira (22).

“Na reunião de líderes vamos colocar o projeto para ser o primeiro item da pauta de votação. Isso é uma alternativa para resolvermos nossos problemas da falta de vacinas e principalmente para salvar os nossos brasileiros”, conta o senador.

Produção de vacinas

O vice-presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), Emilio Salani, garantiu que a indústria brasileira envolvida na fabricação de produtos farmacêuticos para animais é capaz de adaptar suas estruturas para iniciar a produção de insumos farmacêuticos ativos (IFAs) de vacinas contra a doença.

“O nosso setor tem mantido contatos regulares com diversas autoridades interessadas na produção de vacinas contra o Coronavírus, em especial as que utilizam a tecnologia de vírus inativado, semelhante à desenvolvida e produzida no Brasil para a febre aftosa,” explica Emilio.

Na reunião, Salani esclareceu que o setor iniciará, em maio, a campanha de combate à febre aftosa contando com o estoque de 200 milhões de doses já produzidas. “Nós temos uma produção ao ano de 400 milhões de doses desta vacina distribuídas para todos os rincões desse país. São vacinas de 2 ml com dois vírus. É muito superior em termos de dificuldades, do que a vacina CoronaVac, que é apenas meio ml e um vírus.”

Para o secretário de Defesa Agropecuária do MAPA, José Guilherme, um dos caminhos para acelerar o processo de produção das vacinas no Brasil é a fabricação do IFA em parceria das instituições com as indústrias de produtos para saúde animal.

“O Ministério da Agricultura está apoiando esse projeto no que for necessário em termo de fornecimento de informações e biossegurança das fábricas, para avançarmos na aprovação da proposta e produção das vacinas”, conta o secretário.

Indústria farmacêutica

O deputado Dr. Leonardo (SD – MT) afirmou que a indústria farmacêutica foi diminuída e tem dificuldade para produzir em grande escala no país. “O agronegócio mais uma vez trouxe tecnologia para produção de diversos setores. Mais uma vez, graças ao agronegócio nós temos um parque nacional de vacinas com alto padrão e reconhecido internacionalmente”, acredita o parlamentar.

Já a presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) da Câmara dos Deputados, a deputada Aline Sleutjes (PSL-PR), defendeu que este tema da vacina é importante para todo cidadão, “e para tirarmos essa dependência da importação de imunizantes temos várias fábricas de vacinas animal.”

Ela complementa ao dizer que “se temos o aval da Anvisa, agora é hora de correr e ver o que falta. O legislativo precisa viabilizar essa solução para sairmos da dependência de insumos e tecnologias”, finaliza a deputada.

Fonte: Frente Parlamentar da Agropecuária