Coletiva de imprensa sobre medidas de combate à Covid-19. Foto: Carlos Rodrigues/Secom

Repórteres de várias empresas de comunicação de Toledo e região compareceram na manhã desta terça-feira (12) à coletiva de imprensa realizada na Sala de Reuniões do Gabinete do Prefeito. Em pauta, as ações que o governo municipal tem colocado em prática nos últimos dias e as que ainda serão implantadas no combate à Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Além do prefeito Beto Lunitti, a secretária de Saúde Gabriela Kucharski e o infectologista José Eduardo Panini falaram em nome da administração pública local. Na apresentação, o chefe do Executivo Municipal falou das ações nesta área que já foram executadas desde quando tomou posse, como o compromisso assumido em live que foi ao ar em 2 de janeiro de promover coletivas de imprensa a cada 14 dias.

Na ocasião, ele também citou as medidas de tratamento precoce, como a dispensação de ivermectina a quem quisesse fazer uso do medicamento como meio de prevenção aos quadros mais graves da Covid-19. Contudo, Lunitti explicou que os farmacêuticos que integram o serviço público municipal, orientados pelo Conselho Regional de Farmácia do Paraná (CRF/PR), optaram, de acordo com documento entregue no começo da noite de sexta-feira (8), em não fazer essa distribuição sem prescrição médica. 

Com isso, o município suspendeu temporariamente a medida e ontem (11), em reunião com a presidente da entidade de classe, Mirian Ramos Fiorentin, foram debatidos meios de esta dispensação ocorrer segundo os preceitos legais para a dispensação de medicamentos com tarja vermelha. “As demais medidas anunciadas no segundo dia do nosso governo ficam mantidas, inclusive as que tratam do tratamento precoce de Covid-19”, destaca. “O conceito de ‘liberdade com responsabilidade’ está norteando as ações do município no combate ao novo coronavírus, com a economia a serviço da vida, mas recebendo as devidas orientações para que as empresas continuem funcionando, com a Guarda Municipal sendo treinada para realizar este trabalho de forma assertiva”, observa. “Lamentamos e nos solidarizamos com amigos e familiares dos 105 cidadãos de Toledo que perderam a vida para esta doença, e estamos vigilantes ao atual quadro epidemiológico, com mais de 1.000 pacientes que estão com o vírus ativo em seu corpo. É importante que a população saiba que a administração municipal está fazendo tudo que está ao seu alcance, doando-se ao máximo pela população, a quem fazemos um apelo para que mantenham os cuidados já conhecidos e torne menos difícil a vida dos profissionais da saúde, que estão há mais de nove meses numa rotina desgastante, exaustos física e emocionalmente”, pontua.

Dados epidemiológicos

A secretária de Saúde apresentou os dados epidemiológicos mais recentes e chamou a atenção para a curva ascendente no número de casos e óbitos de Covid-19 em Toledo, que registra uma taxa de letalidade (0,98%) abaixo da média nacional (em torno de 2,5%). Neste período, o número de consultas no Pronto Atendimento Municipal (PAM), referência em Toledo no suporte a pacientes com sintomas sugestivos da doença causada pelo Sars-Cov-2, também cresceu consideravelmente, com uma média de 90 atendimentos/dia e em viés de alta em função das festas de fim de ano.

Gabriela também falou sobre a ocupação dos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Os pacientes Covid-19 em estado mais grave são prioritariamente encaminhados para hospitais da 20ª Regional de Saúde, isto é, o Bom Jesus ou o Moacir Micheletto, em Assis Chateaubriand. Caso não seja possível, aí buscam-se vagas em hospitais da Macrorregional Oeste, a qual inclui estabelecimentos localizados nas regionais de Cascavel, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão e Pato Branco”, explica. “É bom destacar que esta área de abrangência possuía apenas 71 leitos de UTI no início da pandemia e agora tem 190, um acréscimo de 167%, e que o Governo do Estado até ofereceu a possibilidade de colocar mais 10 leitos no Bom Jesus, o que não foi possível devido a limitações relacionadas a espaço físico e de recursos humanos. Não tem mais como expandir este serviço, cabendo à população agir coletivamente para conter a disseminação do novo coronavírus”, observa.

COE

A secretária de Saúde também trouxe novidades acerca do Centro de Operações Emergenciais (COE), que está passando por um processo de reformulação a fim de reforçar o caráter técnico deste grupo de trabalho. “O decreto com as entidades que farão parte deste comitê já foi publicado e estas têm até as 17 horas de amanhã para indicar seus representantes. A partir disso, faremos uma reunião extraordinária ainda nesta semana, na qual analisaremos a situação epidemiológica e apresentaremos um parecer ao governo municipal. Baseado nestes dados, o prefeito tomará as decisões que julgar conveniente, acatando ou não estas sugestões, pois o COE terá natureza consultiva, não lhe cabendo deliberações”, pondera.

Beto Lunitti destaca que este grupo de trabalho terá papel primordial nas ações que Toledo implantará para conter a Covid-19. “Essa análise municiará nossa gestão com os dados necessários para a tomada de decisões. O COE terá liberdade para analisar os dados epidemiológicos, cabendo ao gabinete a parte política”, frisa. “Estamos revisando os decretos vigentes relacionados à pandemia e, em breve, novos serão publicados. É um trabalho cuidadoso para que as normas sejam claras, levando em conta tanto os protocolos sanitários quanto o bom funcionamento das empresas”, salienta.

Unidades-sentinela e vacinação

A secretária de Saúde anunciou também que as unidades básicas de saúde (UBS) do Cosmos e do Panorama farão, em complemento aos serviços já realizados pelo PAM, o atendimento exclusivo a pacientes com sintomas sugestivos de Covid-19 (falta de ar, tosse seca, dor de garganta e perda de olfato e/ou paladar, por exemplo). Denominados de “unidades-sentinela”, estes espaços funcionarão, a partir desta quinta-feira (14), das 7h às 19 horas, sendo que a do Cosmos ficará aberta em todos os dias da semana e a do Panorama de segunda a sexta-feira.

Falando em unidades de saúde, o infectologia José Eduardo Panini assegurou que elas já contam com a estrutura necessária para uma campanha de vacinação contra a Covid-19 tão logo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorize o uso emergencial dos imunizantes desenvolvidos e produzidos por laboratórios de todo o mundo. “Desde o início das pesquisas, nosso município está atento e dispomos de 23 freezers que podem perfeitamente armazenar as doses das duas vacinas para as quais o governo brasileiro está negociando: a da Oxford/AstraZeneca que será produzida pela Fiocruz e a da Coronavac, sob responsabilidade do Butantan. Em relação aos insumos, nosso estoque de seringas e agulhas é o suficiente para as primeiras fases da campanha, na qual seguiremos os protocolos do Governo do Estado, que seguirá os do Ministério da Saúde, responsável pelo Programa Nacional de Imunização, que já definiu quais serão os primeiros grupos a receberem as doses”, informa.

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação