Nesta sexta-feira (02/04), o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar) completa 50 anos. São cinco décadas de história em defesa do cooperativismo paranaense e de atuação voltada à promoção do desenvolvimento sustentável do setor, trabalho que hoje é realizado juntamente com o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop/PR) e Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar). Juntas, as três entidades compõem o Sistema Ocepar e, no dia a dia, se empenham em viabilizar as demandas das 217 cooperativas filiadas, para que elas tenham condições de oferecer a melhor prestação de serviços a todos os cooperados existentes no Estado.

Funções – “Eu vejo que a Ocepar tem três grandes funções. A primeira é de organização, que é somar forças, articular e planejar. O nome da Ocepar é Sindicato e Organização das Cooperativas do Paraná. Então, esse é o trabalho mais importante. Na sequência, vem a defesa dos interesses das cooperativas, que também é fundamental, e a articulação com os poderes Legislativo e Executivo, entidades parceiras e órgãos do governo. E, por último, e não menos importante, a capacitação profissional. Hoje, o cooperativismo possui 116 mil funcionários e 2,5 milhões de cooperados. Temos que ter um poderoso sistema de formação dessa gente. E isto o Sescooo/PR nos proporciona. E, para completar, a Fecoopar fornece suporte às cooperativas na área sindical”, afirma o presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken.

Evolução – Tudo começou em 2 de abril de 1971, quando 34 cooperativas fundaram a Ocepar, durante Assembleia Geral ocorrida em Curitiba. Ao longo dessa jornada, o cooperativismo paranaense evoluiu muito e, somente em 2020, alcançou R$ 115,7 bilhões de faturamento, montante 32,1% superior ao do exercício anterior. Num ano tão atípico e difícil, marcado pelo início da pandemia do novo coronavírus, as cooperativas do Paraná se mantiveram firmes e mostraram à sociedade a relevância do trabalho que realizam, por meio de atividades essenciais, como a produção de alimentos, a assistência à saúde, o acesso ao crédito, o transporte de cargas, o fornecimento de energia. Elas não pararam, apesar das dificuldades, e contribuíram para assegurar o abastecimento e o bem-estar da população.

Ramos – As cooperativas do Paraná atuam em sete diferentes ramos, entre as quais há 59 agropecuárias; 56 de crédito; 37 de saúde; 35 de transportes; 15 de infraestrutura; 11 de trabalho e produção de bens e serviços e quatro de consumo. Enquanto o ramo agro responde por 86,48% do faturamento do setor, o ramo crédito detém 90,77% do total de cooperados. Já o ramo saúde tem mais de 2,2 milhões de beneficiários no Estado. O cooperativismo paranaense também é um grande gerador de oportunidades. No ano passado, o setor abriu 10.341 novas vagas, chegando a 117.929 empregos diretos, ou seja, crescimento de 9,6%. Comparando com o cenário nacional, este índice no Brasil, de acordo com o Caged, foi de 0,29% e no Paraná de 1,85%.

Planejamento – Todo o avanço alcançado até hoje pelo cooperativismo paranaense é baseado numa característica marcante do trabalho realizado pela Ocepar desde a sua origem: o planejamento das atividades. Foram vários projetos e planos de ação executados durante esses 50 anos, com grandes resultados. Em 2021, inicia-se mais uma fase desse processo, a implementação do Plano Paraná Cooperativo 200, o PRC200, cuja meta financeira é atingir R$ 200 bilhões de faturamento nos próximos anos. “Num primeiro momento parece ousado, pois representa o dobro do PRC100, que finalizamos em 2020, ultrapassando todos os objetivos. Mas o cooperativismo já demonstrou que tem grande capacidade e nós queremos, por meio do PRC200, fornece o suporte necessário para que nossas cooperativas avancem ainda mais e continuem contribuindo para promover o desenvolvimento econômico e social, não somente das comunidades onde estão inseridas, mas de todo o Estado. Essa é a nossa contribuição para a sociedade. O cooperativismo soma, faz com que cada um possa crescer junto, não exclui ninguém e, assim, todos saem fortalecidos”, acrescenta Ricken.

Agradecimento – “E, nesse momento em que completamos 50 anos, queremos aproveitar para agradecer todos que estão ligados direta ou indiretamente ao cooperativismo paranaense: aos ex-presidentes, que deixaram seu legado e nos possibilitaram dar continuidade a essa história. Nada disso seria possível se não fosse o altruísmo de pessoas como o Guntolf van Kaick, Benjamin Hammerschimit, Wilson Thiesen, Dick de Geus, João Paulo Koslovski e vários outros que levaram em frente este trabalho. Cada um, na sua época, fez a sua parte para que cooperativismo se tornasse o que é hoje. Também, o nosso agradecimento aos dirigentes das cooperativas, funcionários, cooperados, entidades parcerias, OCB, parlamentares que integram a Frencoop, autoridades estaduais e federais, às equipes de trabalho da Ocepar, Sescoop/PR e Fecoopar, enfim, nós só conseguimos chegar até aqui porque podemos contar com o apoio de muitas pessoas que, como nós, estão comprometidas com o cooperativismo e atuam pelo seu desenvolvimento”, finaliza Ricken.

Fonte: Coamo