O porto de Beirute, no Líbano, foi alvo de fortes explosões nesta terça-feira (4). Ao menos dez pessoas morreram, segundo a agência Reuters. A principal hipótese para as explosões é que teria ocorrido um acidente em depósitos de material inflamável.

O grupo xiita Hezbollah negou relação com o episódio.

Ao canal de televisão libanês LBC, o ministro da Saúde do Líbano, Hamad Hasan, disse que a explosão causou “um número muito alto de feridos” e danos extensos. Segundo ele, os hospitais foram orientados a se preparar para receber os feridos, informou a CNN.

Mais de 30 equipes da Cruz Vermelha da região estão chegando ao local para verificar a quantidade de feridos. Ainda não há informações confirmadas sobre quantidade de vítimas, mas uma nuvem vermelha pairou sobre a cidade após a explosão, enquanto equipes de bombeiros corriam para o local para tentar apagar o fogo. 

O governador de Beirute, Marwan Abboud, disse que a situação o lembra de Hiroshima e Nagasaki, cidades japonesas onde foram lançadas as bombas atômicas.

“Essa é uma catástrofe nacional”, disse.

Um avião que é comumente utilizado para combater fogos florestais foi colocado à disposição dos destacamentos de bombeiros para combater os focos de incêndio, que continuam no setor portuário. Ao menos vinte guarnições foram deslocadas para a região.

O hospital St. Georges, um dos maiores e mais tradicionais de Beirute, já avisou que está com lotação máxima. Ao menos 400 pessoas deram entrada no hospital Hotel Dieu, disse uma enfermeira à CNN.

O presidente libanês Michel Aoun decretou luto nacional. Também foram ordenadas patrulhas militares na região impactada e nos subúrbios para “garantir a segurança”, de acordo com a agência de notícias estatal National News Agency.https://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.400.1_pt_br.html#goog_103669043Volume 50% 

Ainda segundo a agência, informações preliminares dão conta de que a explosão ocorreu após um grande incêndio em um armazém de fogos de artifício perto do porto de Beirute. o que levou a uma reação em cadeia. A princípio, o caso é tratado como explosão acidental pela imprensa do país.

A explosão também atingiu os escritórios do ex-primeiro-ministro do país Saad Hariri e da sucursal da CNN, na região central da capital libanesa.

Casas em até dez quilômetros de distância sofreram danos, de acordo com testemunhas. Uma moradora da cidade que estava longe da explosão disse que suas janelas foram destruídas pelo ocorrido.

“O que eu senti parecia um terremoto”, Rania Marsi disse à CNN. “O apartamento balançou horizontalmente e de repente parecia uma explosão, as janelas e portas se abriram com força. Os vidros se estilhaçaram. Muitas casas foram danificadas ou destruídas”, acrescentou.

“Vi uma bola de fogo e fumaça subindo sobre Beirute. As pessoas estavam gritando e correndo, sangrando. Varandas foram arrancadas de edifícios. Os vidros dos arranha-céus quebraram e caíram na rua”, disse uma testemunha à agência Reuters.

Outra testemunha disse à agência que viu uma fumaça cinza pesada perto da área do porto e depois ouviu uma explosão e viu chamas de fogo e fumaça preta: “Todas as janelas do centro da cidade estão quebradas e há feridos andando por aí. É um caos total”, declarou.

  

Momento da explosão de grande impacto em Beirute, no Líbano

Foto: Reprodução/CNN (4.ago.2020) Colunas de fumaça no centro de Beirute, no Líbano, após forte explosão

Colunas de fumaça no centro de Beirute, no Líbano, após forte explosão

Foto: CNN (4.ago.2020)

(Edição: Leandro Nomura. Com informações da Agência Reuters)