As Metodologias Ativas envolvem os estudantes no processo de construção do conhecimento, contextualizam e consideram o conteúdo como bagagem de cada estudante. Nesse processo, o professor constrói uma trilha de aprendizagem, que combina práticas como dramatizações, estudos de caso, projetos, ensino entre pares, debates e discussões em classe.

A Pandemia nos impôs o distanciamento social, que requer muita criatividade. Assim, a tecnologia é nossa aliada na inovação didática para garantir o aprendizado significativo com um olhar atento aos pequenos do Ensino Fundamental I e da Educação Infantil.

A Coordenadora do Ensino Fundamental I, Anna Sampaio recorda a trajetória desta jornada. “Quando grande parte da sociedade foi convocada a ficar em casa, já havíamos elaborado um roteiro para os estudantes com atividades e orientações pedagógicas, que permitiam a continuidade das tarefas escolares e favoreciam o ritmo dos estudos naquele momento. Este fator resultou em produtividade para os dias em casa”.

No final do mês de março, o Colégio La Salle já tinha um cronograma de aulas adaptadas, reuniões de pais pré-agendadas, salas virtuais organizadas, perfis criados e formações pedagógicas que aconteciam permanente. “De lá para cá, foi necessário adaptar muitas propostas, inserir novas ideias e inovar constantemente a fim de tornar ainda mais qualitativo o atendimento e significativa a aprendizagem de todos os estudantes. As práticas precisaram ser analisadas e individualizadas, visto que o contexto e a necessidade de cada família é única”, recorda a Coordenadora Anna Sampaio.

Na Educação Infantil, este processo também está presente. “Para facilitar a adaptação a esse novo contexto, foi necessário elaborar cuidadosamente o novo modelo de aulas por videoconferência. Trabalhamos com os professores a fim de assegurar que a qualidade fosse mantida e analisamos constantemente as propostas, que geram engajamento dos alunos”, explicou a Coordenadora da Educação Infantil, Rosangela Schio.

A experiência digital como estratégia de aprendizagem é desafiadora. “Desde o início desta jornada, a manutenção da qualidade do ensino foi um dos grandes objetivos e agora, após um período de caminhada, é possível citar consideráveis conquistas: estudantes mais familiarizados com as ferramentas tecnológicas educacionais, interativos, produtores de conteúdo, leitores, pesquisadores e, principalmente, seres humanos capazes de reconhecer o significado que a educação trouxe para este tempo em casa”, destaca Anna Sampaio.

As experiências digitais devem permanecer e transformar o ambiente escolar pós-pandemia. “Foi perceptível que a tecnologia oferece inúmeras possibilidades para que possamos potencializar as ferramentas de educação presencial, mesmo quando houver o retorno às aulas presenciais. Contudo, é necessário respeitar o ritmo de adaptação das famílias e das crianças a todas essas mudanças”, ponderou Rosangela Schio.

Durante as aulas ao vivo e, em momentos de estudos domiciliares, as crianças são orientadas por seus professores para criarem mapas mentais e cartazes virtuais, além de desenvolverem atividades manuais (construindo fantoches, dedoches, dobraduras e colagens). Tiveram experiências culinárias e participaram de debates e dinâmicas. “O criativo instiga os estudantes, o bem planejado e fundamentado atrai a participação e o envolvimento da família, fundamental neste contexto, resultando no alcance da intenção pedagógica do educador. Até o momento, temos experimentado este ciclo com louvor”, comemora Anna Sampaio.

Na Educação Infantil, o intuito principal era proporcionar aos pequenos, aulas dinâmicas e lúdicas, visando não somente o desenvolvimento intelectual, mas primordialmente o bem-estar emocional e a manutenção do contato com os professores e com as atividades escolares. “Levamos às crianças contação de histórias, culinária, jogos, circuitos motores, fantasias e, principalmente, atividades que proporcionassem o envolvimento das famílias com seus filhos. A tecnologia possibilitou a nossa intenção pedagógica focada na oportunidade das crianças testarem, experimentarem e vivenciarem o aprendizado, que está presente em cada receita produzida, na degustação, na descoberta dos experimentos ou no encantamento da história. Com tudo isso, a educação lassalista manteve o seu aprendizado significativo – com sentidos”, avalia a Coordenadora da Educação Infantil, Rosangela Schio.