Foto: Divulgação/Secom

Aproximadamente dois mil alunos da rede municipal de ensino retornaram às aulas nesta quarta-feira (28), considerando os períodos da manhã e tarde. São alunos das turmas de 5º ano de 36 escolas municipais. Para que fosse possível realizar as atividades presenciais, uma comissão intersetorial foi criada para estabelecer os protocolos sanitários, a partir dos quais cada escola elaborou seu plano de contingência.

Nos próximos 15 dias essa comissão irá avaliar as atividades e a aplicação dos protocolos estabelecidos a fim de programar o retorno das demais turmas. 

O retorno

O Eduardo Miguel Gaiewski (10) estava realmente com vontade de voltar pra escola. Ele foi o primeiro a chegar na Escola Municipal Carlos Friedrich e ficou esperando até o portão abrir. Mesmo tímido, ele disse que estava com muita vontade de voltar e rever os amigos e professores.

A professora da disciplinas de Jogos e Psicomotricidade, Michele Eufrânio, também não escondia a euforia de estar novamente nesse fluxo. “Nós estávamos com muita vontade de voltar, mas temos que ter paciência e esperar que esse retorno seja definitivo e com todo o cuidado”, ponderou. 

A diretora da Carlos Friedrich, Jocelaine Nascimento de Mattos, disse que todos os professores estão querendo retornar às atividades presenciais, mas com segurança. Para o retorno das atividades, todos os pais foram contactados e por meio de reuniões online e vídeos explicativos foram esclarecidos das medidas que seriam adotadas. 

Os pais tiveram que escolher entre manter os filhos com o acesso remoto ou voltar para o presencial, neste caso híbrido [com uma metade da turma assistindo da sala e a outra de casa]. “Fizemos reuniões e vídeos explicando essa dinâmica e todos os pais ficaram esclarecidos. Nós respeitamos e entendemos aqueles que preferem manter o ensino remoto. Claro que os pais ainda têm medo e tomamos todas as medidas necessárias para tranquilizá-los”, esclarece a diretora. 

Ela fez questão de mencionar que toda a escola está demarcada para que sejam respeitados os espaços e os cuidados que as crianças devem ter. Os banheiros estão equipados com sabonete líquido e as salas com um número reduzido de carteiras. “Percebemos que as crianças já aderiram ao uso de máscara e álcool em gel, então acreditamos que vai dar tudo certo”, ratificou a docente. 

O prefeito Beto Lunitti e a secretária de Educação Elisângela Batista acompanharam o retorno dos alunos logo cedo. “Nós estávamos ansiosos para que esse dia chegasse”, desabafou Elisângela ao dizer que outros professores também se emocionaram na reunião em que foi alinhada a volta às aulas. Palestras falando sobre a situação emocional do professor foram realizadas na primeira quinzena do mês de março, além de outras orientações e reuniões para alinhar cada detalhe das medidas a serem adotadas para o retorno das aulas.

“Sabemos o quanto cada professor se dedica em suas aulas e nós tínhamos que demonstrar segurança para tranquilizar esse retorno. Além da preparação do conteúdo, tem aquela transmissão do olhar, o passar pela carteira para reforçar o conteúdo com o aluno. Por isso hoje (28) é dia de emoção, dia de receber quem pertence a escola, nossas crianças”, argumentou a secretária Elisângela. 

Além de dar apoio para este dia, o prefeito Beto comemorou a volta às aulas, mas ponderou: “este é um dia importante para o retorno das aulas de nossas crianças, mas é necessário muito cuidado com as questões que envolvem a saúde dos alunos, professores e funcionários”. Conforme os planos de contingência, outras turmas devem retornar às atividades presenciais em breve. 

Os pais também estavam aguardando com bastante expectativa para que esse dia chegasse. A Cláudia Rejane Santana Nunes, mãe da Camila Santana Nunes (9) do 5º B disse que estava muito ansiosa e também muito preocupada em saber como a filha ficaria no ambiente escolar. “Nós realmente ficamos presas em casa esse período, então já fizemos todas as orientações para ela se cuidar e ouvir o que a professora tem a dizer”, disse a mãe empolgada com o retorno.

Ela contou que Camila acordou cedo e com uma grande vontade de ir para a escola. “Hoje cedo vai ser bem legal, estou esperando para ver meu professor e meus colegas”, disse a estudante ainda no portão da escola. 

Já na sala de aula, o estudante Alisson Nestor da Fonseca transbordava de alegria em poder acompanhar a aula presencial. “Tá muito legal. Estou muito feliz em voltar a ver os professores e os colegas”. Ele disse que mesmo não podendo abraçar, cumprimentar os colegas à distância “é melhor que nada”. 

Dolly

Para motivar e dar mais segurança neste retorno, alguns alunos ainda receberam uma visita inusitada de uma Guarda Municipal aposentada. Uma GM de quatro patas, a Dolly. Essa foi a forma da GM também transmitir segurança e empatia para os estudantes e motivá-los a seguir com obediência às orientações dos professores. 

Plano de contingência

O Plano de contingência entregue pelas escolas à Comissão Intersetorial contém 69 medidas subdivididas em sete tópicos: Distanciamento físico, Pessoas com suspeitas de contaminação, Organização das salas de aula, Alimentação escolar, Organização de outros espaços escolares, Acolhimento e acompanhamento psicossocial, Uso de EPIs [equipamentos de proteção individual] e EPIs para os profissionais. Confira as principais medidas de cada ponto:

• Distanciamento físico – Organizar a recepção dos alunos em sala, evitando atividades em grupos, filas e  aglomerações no pátio e saguão; fazer demarcações no chão para manter carteiras a uma distância mínima de 1,5 metro entre si; orientar os alunos a trocarem de máscara periodicamente; revezamento de horários de entrada, saída e recreio/lanche; aferir a temperatura de quem ingressar no estabelecimento por meio de termômetros infravermelhos; incentivar a higienização das mãos com álcool em gel 70% ou sabonete líquido antes, durante e depois de cada aula; manter os ambientes bem ventilados; não compartilhar objetos pessoais; desativar bebedouros com disparo de boca, com estímulo ao uso de garrafinhas de individuais; implantar medidas que organizem o fluxo de estudantes, entre outras.

• Pessoas com suspeitas de contaminação – Ter uma comissão voltada para este tipo de situação; seguir fluxo de atendimento imediato em caso de identificação de caso suspeito; intensificar as orientações sobre Covid-19 nas escolas; não permitir que alunos e educadores, incluindo seus familiares, com sintomas suspeitos da doença, ingressem nas dependências; suspensão das aulas por 7 dias (ou até o resultado negativo) em turmas nas quais existam alunos ou professores com sintomas da doença causada pelo novo coronavírus, entre outras.

• Organização das salas de aula – Disponibilizar álcool gel 70% lixeira por pedal ou sem tampa nas salas; retirar das paredes itens que não possam ser higienizados; orientar as famílias a fazerem a desinfecção diária dos materiais usados pelos alunos; higienizar, com água sanitária os ambientes a cada troca de turma, entre outras.

• Alimentação escolar – Servir, preferencialmente, as refeições nas salas de aula; organizar o refeitório com marcações que garantam a distância mínima de 1,5 metro entre as pessoas que estejam nas filas ou sentadas, com limpeza de mesas e cadeiras a cada troca de turma, entre outras.

• Outros espaços escolares – Reorganizar laboratórios, bibliotecas, áreas de convivência infantil e espaços para prática desportiva ou recreativa de forma a manter a distância mínima de 1,5 metro; monitorar o ingresso e higienizar a cada três horas (no mínimo os banheiros), entre outras.

• Acolhimento e acompanhamento psicossocial – Disponibilizar serviços de apoio psicossocial para o enfrentamento das incertezas decorrentes da pandemia; promover, em caráter permanente, campanhas motivacionais e ações de conscientização constantes sobre o assunto.

• Uso de EPIs – Não compartilhar equipamentos de proteção individual entre trabalhadores e/ou alunos durante as atividades; utilizar estes itens somente após serem higienizadas.

• EPIs para profissionais – Máscara e face shield (professores), botina de segurança, face shield, máscara e luvas de borracha (zeladoras), máscara, face shield, jaleco e luvas (merendeiras), e máscara (demais profissionais que não estão em contato direto com as crianças).

Foto: Divulgação/Secom

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação