Foto: Ricardo Morante/Secom

O último sábado (17) foi um dia muito especial para a 23ª Campanha Nacional de Vacinação contra o Influenza – vírus causador da gripe – em Toledo. Durante todo o dia, 1.096 doses foram aplicadas nas nove unidades de saúde (São Francisco, Alto Panorama, Maracanã, Europa, Centro, Porto Alegre, Industrial, Coopagro e Pancera) que ficaram abertas especificamente para esta finalidade. No dia 1º de maio haverá a ação novamente.

Nesta primeira fase da campanha, iniciada na segunda-feira da semana passada (12), gestantes em qualquer período, puérperas (mães de bebês nascidos há até 45 dias), indígenas, trabalhadores da saúde e crianças com idade entre 6 meses e 5 anos, 11 meses e 29 dias podem ser imunizadas contra os três tipos mais comuns e agressivos do Influenza que circulam em nosso país: o “A” (H1N1 e H3N2), o “B” e os sazonais. “As unidades de saúde que foram abertas tinham capacidade de vacinar até 5.000 pessoas no sábado, mas a resposta ficou aquém do esperado, pois, só para ter uma ideia, vivem em Toledo cerca de 10.000 crianças que fazem parte da faixa etária da campanha. Contamos com a adesão do maior número possível de pessoas, pois, num cenário de pandemia do novo coronavírus, é necessário diminuir ao máximo os casos de gripe, que tem sintomas muito semelhantes aos da Covid-19”, explica a enfermeira da Vigilância Epidemiológica, Cleunice Sarturi.

O prazo para os integrantes de grupos prioritários da primeira fase receberem suas doses encerra-se em 10 de maio. Até lá, estas pessoas podem comparecer à unidade de saúde mais próxima de casa (exceto as do Bressan/Cezar Park e Concórdia, que estão temporariamente desativadas, ou as do Cosmos e Panorama, que atendem exclusivamente pacientes com sintomas de Covid-19), durante o horário normal de funcionamento, levando a documentação necessária para que sejam imunizadas (confira a lista no fim da reportagem).

Para as pessoas que já podem ser vacinadas contra a gripe, mas que tomaram uma das doses da vacina contra a Covid-19 recentemente, recomenda-se um intervalo de 14 dias entre as duas aplicações. “Por esta razão, o Ministério da Saúde inverteu a prioridade da campanha: ao contrário de anos anteriores, em vez de começar a vacinação pelos idosos, que já estão sendo protegidos do novo coronavírus, preferiu-se iniciar por aqueles grupos prioritários que normalmente ficavam no fim da fila”, explica a secretária municipal de Saúde, Gabriela Kucharski.

Documentação necessária

Crianças – Cartão de vacinas e documento pessoal.

Gestantes – Cartão de vacinas e/ou cartão de pré-natal e documento pessoal.

Puérperas – Cartão de vacinas, cartão de pré-natal ou outro documento que comprove a data do parto e documento pessoal.

Povos indígenas – Cartão de vacinas e documento pessoal.

Trabalhadores da saúde – Cartão de vacinas, declaração do local de trabalho, crachá e/ou carteira de trabalho e documento pessoal.

Foto: Ricardo Morante/Secom

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação