Secretário Arthur de Almeida, prefeito Lunitti, secretária Gabriela e vice-prefeito Ademar, durante coletiva de imprensa. Foto: Fernando Braga

Frente ao agravamento do contágio e o esgotamento dos leitos de UTI, a prefeitura restringe o funcionamento do comércio e amplia a fiscalização em Toledo

Por Fernando Braga

Na manhã desta segunda-feira (22/02), o prefeito Beto Lunitti deu uma coletiva de imprensa para anunciar novas medidas de enfrentamento à pandemia de Covid-19 no município de Toledo. Acompanhado por seu vice, Ademar Dorfschmidt, pela secretária de Saúde, Gabriela Kucharski, e pelo secretário de Segurança e Trânsito, Arthur Rodrigo de Almeida, o prefeito falou sobre a importância do cumprimento das medidas de segurança e do afastamento social, uma vez que nos encontramos em uma situação de agravamento da pandemia.

Neste domingo (21), a ocupação das unidades de terapia intensiva (UTI) da 20ª Regional de Saúde atingiu sua lotação máxima. Os 24 leitos disponibilizados no Hospital Bom Jesus, de Toledo, e os 28 no Hospital Moacir Micheletto, em Assis Chateaubriand, chegaram a ficar 100% ocupados. No mesmo dia, o Boletim Epidemiológico de Toledo apresentou o número de 1.296 pacientes ativos, o maior já registrado na cidade.

O contágio vem aumentando, indicando o comportamento irresponsável de uma parcela da população que desrespeita as medidas restritivas e promove aglomerações. Nesse último fim de semana, alguns bares e casas noturnas foram flagrados em desacordo com as normas vigentes nesse momento de crise epidemiológica, ignorando o uso de máscaras e de álcool gel, além de permitir grupos de pessoas muito próximas umas das outras. Dezoito estabelecimentos foram vistoriados e três deles notificados: dois defronte ao Lago Municipal, no Parque Ecológico Diva Paim Barth, e um no Jardim Santa Maria.

Casa de show recebe fiscalização realizada por equipes da Guarda Municipal e da Polícia Militar. Foto: Ricardo Morante/Secom

Diante desse quadro de descuido por parte dos frequentadores e de relaxamento ocasionado por alguns estabelecimentos, o prefeito Lunitti decidiu que o Município precisa atuar de forma mais enérgica para contornar a crise pandêmica. Ele anunciou, entre outras novidades, que a prefeitura deverá rastrear todos os casos confirmados e promover diligências junto ao Ministério Público para checar se algum paciente está descumprindo o isolamento.

Ainda na sequência de novas ações, Beto adotou outras duas medidas. Primeiro, publicou o decreto nº 52, que restringe o horário de funcionamento das casas noturnas, que são alvos de reclamações e têm gerado inúmeras denúncias de desrespeito às normativas. Em janeiro, um ato do Executivo permitiu que o funcionamento desses estabelecimentos fosse estendido até a 01 hora. Com a nova normativa, a autorização para o funcionamento se encerra às 23 horas.

A outra medida do prefeito de Toledo foi a publicação da portaria nº 111, que reconhece o secretário de Segurança e Trânsito como Autoridade Sanitária. Agora, Arthur de Almeida tem poderes para executar a lavratura de intimações e/ou autos de infração, imposição de multas, suspensão e interdição das atividades, se for o caso. Com tais poderes e atribuições, a Guarda Municipal pode fazer inserções nas empresas e, encontrando irregularidades, poderá fechá-las pelo período de 14 dias, que é o tempo correspondente ao ciclo do coronavírus.

As ações da Guarda Municipal, que contam com o apoio da Polícia Militar e da Polícia Civil, serão realizadas também para fiscalizar festas particulares, como churrascos, confraternizações de empresas e encontros em chácaras. O meio rural também será alvo das ações e o secretário confirmou na coletiva que já designou uma equipe da GM para se dirigir diariamente aos distritos rurais para conferir os estabelecimentos locais.

Beto também anunciou que o secretário de Desenvolvimento Econômico deverá se reunir com representantes de mercados e supermercados para tratar da segurança sanitária nas unidades de Toledo. O prefeito lembrou que no começo, os supermercados limitavam a circulação de pessoas dentro das lojas e checavam a temperatura dos clientes antes de entrarem para as compras. Hoje, lembrou Lunitti, isso já não é mais feito, pois houve um “relaxamento”.

As medidas de enfrentamento precisam ser enérgicas, pois chegamos a uma situação limite, que impõe dificuldades para oferecer atendimento aos pacientes com Covid-19. Conforme ressaltou o vice-prefeito Ademar, durante a pandemia Toledo dobrou o número de leitos de UTI, mas nem por isso consegue prestar o atendimento necessário. A ocupação está esgotada e não dá para abrir novos leitos, pois não há recursos humanos disponíveis para o atendimento hospitalar. Mesmo com toda boa vontade política, relatou Ademar, não dá para ampliar o atendimento, pois faltam médicos e enfermeiros intensivistas, que são os profissionais que possuem formação especializada para o trabalho em UTI.

A secretária de Saúde, Gabriela Kucharski, por sua vez, lembrou que embora a vacinação esteja só no começo, em Toledo precisou ser suspensa, uma vez que acabaram as doses dos imunizantes enviadas ao município. A Secretaria de Saúde está aguardando a chegada de um novo lote de vacinas para dar sequência à imunização.

O que nos resta é insistir com os apelos e continuar trabalhando para a conscientização das pessoas, para que entendam que não é hora de fazer festa, reunir os amigos e sair para se confraternizar. Em sua maioria, as igrejas, academias, lojas e restaurantes estão fazendo sua parte, mas isso de nada adianta se alguns mantiverem os cuidados necessários, enquanto outros teimam em ultrapassar o limite do bom senso.