O documento que a SESA emitiu a 134 municípios do paraná, onde obriga os mesmo a cumprirem como Decreto 4942 que restabeleceu restrições de funcionamentos de atividades econômicas até dia 15 de julho e reforça que apenas serviços considerados essenciais devem continuar abertos para evitar a circulação de pessoas e a reduzir a propagação da Covid-19 não está sendo aceito e/ou cumprido pela maioria das cidades.

Toledo como exemplo de serenidade.

Oque se ouviu de explicações de os vários prefeitos é de que na maioria desses municípios eles já tinham colocado em prática a maior parte das medidas propostas pelo governo do estado e como exemplo, Toledo que, inteligentemente fechou o comercio por 10 dias, melhor ainda, numa segunda quinzena do mês, onde as vendas são fracas e, ACERTADAMENTE, pois, os números do infectados depois do 10º dia, está em declínio comprovando que o COE e a prefeitura estão no caminho certo.

Toledo como exemplo de serenidade I

Não só isso, o prefeito Lúcio de Marchi foi um dos que liderou e sugeriu em reunião da AMOP que todos fechassem as portas no início da segunda quinzena de junho e em sua maioria não aceitaram. Caso aceitasse, seriam 24 dias de fechamentos e o caos estaria inserido em Toledo não só na economia, como, empregos, e a própria saúde pública concernente a “psicológica”. Nessa segunda, mais dois respiradores chegaram a Toledo e com isso, mais UTIs. Matéria completa nesse link:

http://gazetadetoledo.com.br/2020/07/06/ministerio-da-saude-repassa-dois-respiradores-para-toledo-combater-covid-19/ 

Amop pede revisão e pede que seja respeitado as decisões municipais já tomadas.

 

Ouvindo alguns dos prefeitos da região cito como exemplo Anderson Bento Maria de Maripá, que, acatou em “partes” e também pediu revisão, pois, entendeu que, alguns parágrafos do Decreto, já tinham e estão sendo atendidos pelo Município. O município de Missal, a exemplo de outros municípios da região, recorreu da decisão do Governo do Estado do Paraná que adotou medidas restritivas as atividades não consideradas essenciais por decreto governamental pelos próximos 14 dias a partir de 1º de julho.

 

 

Vereadores de Toledo temem são a favor do Decreto Municipal

Durante a sessão ordinária da câmara municipal de Toledo, a maioria dos nobres edis se pronunciaram a favor do Decreto do Município de Toledo, mesmo com as determinações de multas prevista no Decreto estadual. Destaco aqui, o vereador aniversariante desse final de semana que completou 7.2 de relacionamento entre o homem e a terra, Leoclides Bisognin, que foi categórico ao afirmar que o município já vinha fazendo a sua parte no combate ao COVID-19.

Bisognin está preocupado com o “psíquico” da população.

 

Bisognin, afirmou que não se pode penalizar os empresários com mais 14 dias e ouvir a palavra “isolamento” até mesmo porquê, se tem grupos que estão cumprindo com todas as regras de “contingenciamentos” são os empresários, os comerciantes, as indústrias e o transporte público.   Sem contar que o “psíquico” das pessoas hoje, já está sem rumo, sem clareza e isso não pode aumentar finalizou o vereador.

 

 

Foto de capa – Nogueira e Tognin – Advogados