A instalação das novas unidades educacionais em Toledo é fruto de articulação entre lideranças do PSD

Da Redação

Terminou na noite de quinta-feira (29) o processo de consulta dos estabelecimentos de ensino pertencentes ao Núcleo Regional de Educação (NRE) de Toledo, que haviam sido indicados para a implementação do modelo cívico-militar em 2021.

O período de consulta à comunidade escolar foi aberto no dia 27 e deveria terminar no dia seguinte, mas um dos oito colégios indicados, que fazem parte da área de abrangência do NRE de Toledo, não obteve o resultado a tempo e teve a votação estendida, pois com baixo comparecimento dos pais de alunos, não foi possível atingir o coeficiente mínimo de votantes (além dos pais, podiam votar os diretores, professores, funcionários das escolas e estudantes que tivessem completado 18 anos).

O último a decidir trata-se do Colégio Jardim Maracanã, o único que apresentou uma disputa acirrada em Toledo. Outras duas escolas situadas no município, o Colégio Novo Horizonte e o Colégio Antonio José Reis, tiveram larga vantagem no resultado que foi vitorioso na votação. O primeiro, localizado no Jardim Coopagro, contou com a participação de 406 membros da comunidade escolar e aprovou o novo modelo proposto pelo governo do Paraná com 79,9% de aceitação. No segundo, instalado no bairro Belo Horizonte, os 370 votantes optaram pelo conceito cívico-militar com 75% de aprovação.

Já no Colégio Jardim Maracanã, que fica no bairro homônimo, a decisão tomada pela comunidade escolar, formada em sua maioria pelos pais dos estudantes, confirmou a adesão ao novo modelo de ensino com uma pequena margem de diferença. De acordo com José Carlos Guimarães, diretor do NRE, cerca de 500 votantes escolheram a proposta cívico-militar, com o resultado de 53,6% de aceitação.

Além dessas três escolas estaduais, outras cinco ligadas ao NRE de Toledo também concordaram com a migração ao modelo cívico-militar na região. Assim que a votação foi encerrada, por volta das 20 horas de quinta, o Núcleo de Toledo emitiu a seguinte nota:

“O NRE de Toledo recebeu a indicação de 08 escolas para adotarem o conceito cívico-militar, sendo 03 em Toledo, 02 em Guaíra, 02 em Marechal Cândido Rondon e 01 em Palotina.

Era uma grande vontade da maioria da população de nossa região. E com muita satisfação comunicamos que todas foram aprovadas pelas suas comunidades. Portanto, o NRE de Toledo a partir do próximo ano terá 08 escolas cívico-militares.

Registramos o agradecimento a todas as pessoas que participaram e expressaram suas opiniões, contribuindo de forma democrática para o processo.

Com as decisões tomadas pelos membros das comunidades, formadas por diretores, professores, pais de alunos e funcionários das escolas, o Núcleo Regional de Educação de Toledo terá 08 escolas cívico-militar em 2021.”

Anuncio feito em Toledo

No dia 14 de outubro, atendendo ao pedido das lideranças locais do Partido Social Democrata, Coniberto Niedermeyer e Pedro Pereira de Oliveira, o líder do governo na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), deputado Hussein Bakri (PSD), veio a capital paranaense do agronegócio anunciar a liberação de obras e concedeu entrevista à Gazeta de Toledo. Ele foi o principal articulador para a aprovação da proposta levada às 215 escolas do Estado que poderão já no próximo ano migrar para o novo modelo educacional.

Durante sua passagem por Toledo, o deputado, responsável pela inclusão do município no rol das cidades agraciadas como novo conceito de ensino, anunciou que seríamos contemplados com algumas unidades do colégio cívico-militar.

Confira o anúncio feito por Hussein Brakri e registrado pela Gazeta de Toledo:

Colégios cívico-militares

Os colégios cívico-militares foram propostos pelo governador Ratinho Junior (PSD), que anunciou na última segunda-feira (26) a intenção de implementar 215 unidades no Paraná, no maior programa do País. Os estabelecimentos de ensino foram selecionados pela Secretaria de Educação e do Esporte.

Um dos diferenciais em relação ao modelo tradicional de ensino é o aumento da carga horária curricular, com aulas extras de português, matemática e valores éticos e constitucionais. A lei foi aprovada neste ano pela Assembleia Legislativa do Estado, mas o programa está sendo planejado desde o ano passado.

As instituições de ensino selecionadas funcionarão em regime de cooperação, por meio de termo entre a Secretaria da Educação e do Esporte e a Secretaria da Segurança Pública do Paraná. O programa será avaliado continuamente a partir da implementação, como forma de aferição da melhoria e não haverá seleção de alunos.