Apresentação de Lina durante o "Servidor é Show". Foto: Secom/Pref. de Toledo

De Redação

Mais uma vítima da Covid-19, de Toledo, faleceu na manhã de quinta-feira (06), marcando a cidade com a perda de uma pessoa muito querida. Lina Batista Lino tinha 67 anos e estava internada em leito de UTI disponibilizado em outro município.

Portadora de comorbidades, Nega Lina, como era carinhosamente chamada por algumas pessoas, não resistiu e veio a óbito, deixando em luto, não só sua família, mas a comunidade escolar com quem conviveu durante os anos em que trabalhou na Secretaria Municipal de Educação.

Lina era auxiliar de serviços gerais e quando se aposentou atuava na Escola Municipal Egon Werner Bercht. Ela ingressou no serviço público em abril de 1993 e trabalhou até outubro de 2011. Querida em toda a comunidade escolar, Lina teve o reconhecimento dos colegas em várias manifestações de pesar.

Em uma rede social, a escola em que trabalhou a reverenciou e prestou uma homenagem com a seguinte publicação:

“Impossível falar da história da Escola Municipal Egon Werner Bercht sem lembrar da figura emblemática da Lina. Uma pessoa extremamente comunicativa, de sorriso fácil e grande coração. Se colocava como parceira das iniciativas da escola, sendo agente das pequenas coisas que fazem diferença na convivência humana: dar carona, se importar com a família de estudantes e colegas de trabalho, propor corrente de oração para pessoas que estavam com problemas, defender a religiosidade nos contextos de dificuldades e decepções da vida, dar GLÓRIA por tudo o que acontecia.

A música sempre ocupou um lugar privilegiado em sua vida, talvez esteja aí a ferramenta que ela usou para viver e irradiar vida por onde passou. A música ‘Abre a porta Jesus’, de sua autoria, iluminou o palco do Teatro Municipal na 1ª Edição do Servidor é show. Conhecendo a convicção com a qual cantava essa canção encontramos conforto, pois, segundo a fé que professava, realmente Jesus deve ter aceito seu pedido e aberto as portas do lar celestial onde ela deve estar com sua voz espontânea e extremamente afinada, compondo o coro dos anjos, cantando glórias, como ela sempre dizia…

Como comunidade escolar, reconhecemos sua contribuição histórica para escola, seja nos serviços prestados, seja na defesa dos valores humanos assim como na valorização da Arte. Acreditamos que a melhor e maior homenagem que podemos lhe fazer é manter viva em nosso ambiente escolar o encantamento pela vida, a capacidade de ver as os obstáculos com olhos de esperança e dar glória pelas coisas mais singelas do cotidiano.

Nossos sinceros sentimentos aos familiares e amigos”.