Integrantes da equipe MTB Farma, que participaram do Circuito Municipal de Cicloturismo. Foto: Divulgação

O ciclismo é um esporte desafiador, entretanto, apresenta muitos benefícios para quem o pratica. É notável as melhoras na saúde do ciclista, trazendo inúmeras vantagens tanto na questão física quanto mental. Outra coisa perceptível tem sido a melhora no convívio social, visto que o ciclista tem a opção de pedalar sozinho, mas com o tempo vai conhecendo pessoas que são praticantes do exercício, se socializando e participando em grupos, ampliando a sua interação na sociedade.

Com o fechamento das academias ou com as medidas restritivas que foram impostas para o enfrentamento da pandemia de Covid-19, muitas pessoas passaram a adotar o ciclismo como uma forma de atividade física e de lazer, ocasionando uma ascensão no número de ciclistas.

Para incentivar esses ciclistas, estão sendo realizados muitos eventos e projetos nesta área. Um deles, de grande sucesso, aconteceu no último domingo (16). A primeira etapa do Circuito Municipal de Cicloturismo ocorreu no distrito de Dez de Maio e contou com a participação de aproximadamente 250 ciclistas. A concentração maior foi de ciclistas de Toledo, aproximadamente 100 pessoas, mas o evento, ao todo, reuniu participantes de 16 municípios da região.

O evento

Ciclistas de várias cidades que vieram aqui, prestigiaram o evento e pedalaram pelas estradas rurais, saindo do Clube Socedema, e percorrendo a Linha Angola, Cerro da Lola, Km 41, Flor da Serra e Linha Três Quedas. Após o passeio, o pessoal retornou para o clube onde foi servido almoço e realizado sorteio de brindes aos participantes. O evento teve o apoio de várias empresas, da polícia militar, da prefeitura municipal, através da Secretaria de Comunicação, Secretaria de Esportes, da Cozinha Social e Guarda Municipal.

O idealizador do projeto, Jean Zeni, comenta que “a ideia do cicloturismo [em Toledo], surgiu em cima de um projeto que é realizado pela Adetur (Agência de Desenvolvimento Turístico da Região Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu), que faz o cicloturismo regional junto com os municípios lindeiros ao Lago de Itaipu, e como Toledo não é um município lindeiro, então a gente não teve a oportunidade de sediar uma dessas etapas”. Mesmo com a pandemia, foi possível pôr em prática essa ideia. “Em cima desse projeto da Itaipu, a gente conseguiu trazer esse evento para Toledo, tendo em vista que nosso interior é bastante grande e tem muitas belezas”, comenta Zeni. Essa também é uma chamada do evento: ‘No Circuito Municipal de Cicloturismo as Belezas de Toledo Você Conhece Pedalando’.

Além do objetivo de realizar o evento de cicloturismo para mostrar as belezas no interior do município e incentivar a prática de atividade física, também a ideia é de arrecadar alimentos para doações. Com as inscrições de cada participante, é feita essa arrecadação e posteriormente em cada uma das etapas será feito o repasse desses alimentos para entidades sociais de Toledo.

Foto: Arquivo Pessoal/Jean Zeni

Próximas etapas

Na programação para esse ano de 2021, foi planejada a realização de cinco etapas. A primeira delas foi no distrito de Dez de Maio. Às 7 horas da manhã, os ciclistas foram recepcionados com um café da manhã colonial e após o pedal, teve o almoço realizado a base do prato típico da comunidade, galinhada com galeto assado.

Jean explica que a ideia é de a cada 2 meses estar fazendo uma etapa. A segunda delas está programada para o dia 11 de julho e será realizada na comunidade da Linha São Paulo. Em setembro no dia 12 de setembro, acontecerá a terceira etapa. A comunidade de São Luiz do Oeste, através do grupo das Meninas do Pedal, vai colaborar e sediará a terceira etapa no dia 14 de novembro. E no dia 12 de dezembro acontecerá a última delas, em local a ser definido.

Coronavírus

Preocupados com a segurança dos ciclistas, em virtude da pandemia do Coronavírus, Jean observa que foram tomadas todas as precauções. “A gente elaborou um protocolo de segurança e apresentou para cada participante nos grupos de WhatsApp”. O idealizador conta que atenderam um número reduzido de participantes. Foram aproximadamente 300 pessoas que estiveram presentes, o que resultou em aproximadamente 30% da capacidade do clube, número abaixo do limite permitido pelo decreto municipal vigente no dia do evento, que estabelecia até 50%. Foi exigido o uso de máscaras, o álcool em gel estava presente em vários locais de acesso no clube. Teve aferição da temperatura de todos os participantes e delimitações de distanciamento entre eles.

Desafio Solidário 500 Km

Outro evento que irá movimentar a cidade neste final de semana, no sábado (22) e domingo (23), é o Desafio Solidário de 500 Km. Trata-se de uma ação dos grupos de ciclistas de Toledo, em conjunto com a Secretaria de Esportes, em um projeto existente para o ciclismo municipal, no setor do Esporte na Natureza.

Para Sandra Beatriz Schossler, técnica desportiva e coordenadora do setor Esporte na Natureza, nesse período de pandemia, o número de ciclistas aumentou expressivamente. “Então hoje se você for observar as rodovias e as saídas de Toledo para o interior, você vai encontrar um número muito grande de ciclistas, e isso principalmente sábado e domingo. Se tem uma estimativa de mais de 2.500 ciclistas em Toledo, que seriam aqueles que saem todos os finais de semana, que pertencem a um grupo, não é aquele ciclista que sai para pedalar esporadicamente. E foi onde surgiu a ideia de fazer esse desafio, inclusive pelos líderes desses representantes dessas equipes de ciclistas, de fazer essa ação”, explicou Sandra.

A rota e horário para o pedal será livre, podendo ser dividido nos dois dias. A coordenadora explica que a ideia é atender a capacidade física de cada um. “A gente pensou nesse desafio de 500 km, e ele pode ser feito individualmente, em dupla ou em até 10 pessoas, ou seja, ele atende todos os níveis técnicos e as capacidades dos ciclistas. Então, tanto aquele que pedala muito, como aquele que pedala pouco, pode participar”.

Outro fato interessante, é que o ciclismo tem conectado os laços familiares e de amizade. “O que aconteceu com esse desafio, e que está acontecendo, é que muitas famílias estão se reunindo para participar. Aquele pessoal que tem uma bicicleta, que não anda muito, mas tem outro familiar que pedala bastante, então ele acaba unindo a família, desafiando a família a compor uma equipe e participar desse desafio fechado a quilometragem”, explicou Sandra.

MTB Farma

O grupo de ciclismo MTB Farma (mountain bike + farmácia) se iniciou com estudantes do curso de Farmácia do Biopark. A princípio, era apenas composto por Dayane Borilli e seu colega Diego. Logo, seus colegas começaram a ver as postagens e se interessaram pela modalidade. Atualmente, o grupo tem 13 integrantes, alguns são de fora da faculdade, e está aberto para quem quiser estar se juntando a eles.

“Para nós, o ciclismo é de certa forma uma ‘fuga’ dessa rotina acelerada em que vivemos, deixando os problemas de lado para ir curtir o passeio e as aventuras com os amigos, superando os obstáculos encontrados ao longo do caminho, contemplando a natureza”, comentou Dayane.

E a respeito dos eventos que estão acontecendo em Toledo, a ciclista observa que “os eventos são vistos como uma interação entre os demais grupos que compartilham dessa mesma paixão que é pedalar, fazendo novas amizades, curtindo as rotas e se superando a cada km a mais”. O grupo participou com quatro integrantes na primeira etapa do Circuito Municipal de Cicloturismo, e neste final de semana participa do Desafio Solidário de 500 Km.

Integrantes da equipe MTB Farma, que participaram do Circuito Municipal de Cicloturismo. Foto: Divulgação

Por Gercika Lisboa sob supervisão de Fernando Braga