O Brasil levou 57 das 331 medalhas do campeonato. Foto: Divulgação

Ao receber 57 do total de 331 medalhas do campeonato mundial “Mondial du Fromage et des Produits Laitiers de Tours”, o Brasil se destaca no evento. Realizada na cidade de Tours, na França, dos dias 12 a 14 de setembro, a competição teve como resultado o Brasil em segundo lugar ao conquistar 5 medalhas super ouro, as mais cobiçadas e raras, 11 medalhas de ouro, 24 de prata e 17 de bronze.

Dos 900 queijos de 46 países diferentes avaliados no campeonato, 183 eram brasileiros. Os queijos vieram principalmente dos estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná e São Paulo. O estado de Minas lidera no ranking brasileiro com 40 medalhas, seguido por São Paulo, com 15.

“Ficamos muito felizes com as premiações, é o reconhecimento e a valorização de nosso trabalho! Além de tudo fortalece toda a cadeia produtiva de nossa região” afirma Sérgio de Paula Alves da Queijo do Serjão-MG.

Bento Mineiro, proprietário da Fazenda Sant’Anna Laticínio Pardinho Artesanal, pontua que mais uma vez o Brasil provou ser um produtor de queijos de qualidade e com potencial gigantesco. Já Vanessa Alcoléa, responsável técnica da Fazenda, diz que o resultado da competição reflete o “reconhecimento da busca em fazer sempre o melhor.”

Fabrizio Machado da Moriá Queijos Artesanais–MS ressalta que, mesmo sendo de um estado que não possui tradição queijeira, os esforços que foram colocados em prática não foram em vão!

Para Wander Bastos, Coordenador da Comissão Nacional de Queijos e Derivados Lácteos Artesanais da ABRALEITE, os resultados obtidos vêm para consolidar todo o trabalho feito com excelência pelos envolvidos na produção dos queijos e todo o trabalho de inovação, mostrando, assim, o potencial do nosso País.

“A produção de queijos artesanais no Brasil, a cada ano, mostra que tem qualidade para superar países do mundo todo. A agregação de valor que se consegue na produção de queijos e outros derivados lácteos artesanais é uma das alternativas para a permanência de pequenos produtores na atividade, com remuneração digna. Parabéns aos nossos brasileiros do queijo!”, comenta o Presidente da ABRALEITE, Geraldo Borges.

Fonte: ABRALEITE – Associação Brasileira dos Produtores de Leite