Produção de bicho-da-seda. Foto: Reprodução/Faep

Instituições públicas e privadas trabalham para conscientizar e capacitar produtores, promovendo sustentabilidade e reduzindo riscos

Boas práticas e ações integradas entre agricultura, apicultura, meliponicultura e sericicultura foram os temas da live, no dia 10 de novembro, promovida pelo Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná). Na ocasião, o diretor financeiro da FAEP, Paulo Buso, elencou as ações do Sistema FAEP/SENAR-PR no emprego de tecnologias e boas práticas no manejo e na aplicação de agroquímicos.

“A entidade tem realizado uma orientação muito forte aos produtores e trabalhadores rurais. Temos trabalhado de forma eficaz e eficiente na busca para reduzir essas possíveis inadequações em relação ao atingimento de áreas sensíveis, atendendo sempre a legislação vigente e buscando parcerias”, apontou Buso.

Nesta área, o curso Manejo Integrado de Pragas (MIP), do SENAR-PR, tem incentivado produtores a reduzir o uso de agroquímicos a partir de um manejo mais sustentável. Com a redução no número de aplicações de inseticidas, a técnica ajuda a melhorar a rentabilidade. Ainda em parceria com o IDR-Paraná, o SENAR-PR está promovendo o programa de inspeção periódica de pulverizadores. Por meio da iniciativa serão inspecionados cerca de 500 pulverizadores no Estado.

No evento, o secretário estadual de Agricultura, Norberto Ortigara, destacou a necessidade de utilizar as ferramentas e tecnologias do jeito correto para que haja a coexistência pacífica das atividades agropecuárias. “Temos o dever de agir em conjunto e seguir os protocolos corretos para manter a viabilidade das atividades. Se possível, reduzir o uso de moléculas pesadas e partir para o uso de produtos biológicos. E, em caso de necessidade do uso de agroquímicos, fazê-lo de forma segura, evitando a deriva, com os EPIs [Equipamentos de Proteção Individual] necessários, observando os riscos e fazendo de tudo para mitigá-los”, salientou.

Ações integradas

A articulação entre instituições públicas e privadas serve para difundir as boas práticas na aplicação de agroquímicos no Paraná, garantindo a coexistência e a proteção das atividades sensíveis à deriva. Entre as ações, estão a criação de grupos de trabalho, georreferenciamento das atividades e monitoramento do entorno, estabelecimento de municípios prioritários para atuação incisiva, capacitação em tecnologia de aplicação e boas práticas, inspeção de pulverizadores e fiscalização preventiva.

O objetivo deste trabalho é promover o uso correto e seguro de agroquímicos e evitar a ocorrência de deriva nas pulverizações aéreas e terrestres, principal alvo de reclamações dos produtores envolvidos em atividades sensíveis. Segundo o IDR-Paraná, apicultura, meliponicultura, viticultura, sericultura e produção orgânica são as prioridades.

“No Paraná, por ser um Estado com menor extensão territorial, várias atividades coexistem em um mesmo município. No entanto, temos exemplos concretos de que é possível trabalhar de maneira integrada, com respeito, profissionalismo e comunicação eficiente, de modo a fortalecer a nossa diversidade agrícola”, observou Benno Henrique Weigert Doetzer, engenheiro agrônomo e coordenador da área de sustentabilidade do IDR-Paraná.

A transmissão ao vivo ocorreu a partir da parceria entre IDR-Paraná, Sistema FAEP/SENAR-PR, Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab), Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), Sistema Ocepar, Associação Brasileira da Seda (Abraseda), Bratac, Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar) e Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg).

Fonte: Sistema FAEP