Foto: Reprodução/Biopark

A pandemia impactou diretamente nossas vidas, modificando como nos relacionamos, trabalhamos e onde vivemos. A mudança causou consequências nas procuras atuais e planejamentos futuros de residências por todas as partes do País. 

As tendências imobiliárias dos próximos anos estão fortemente ligadas às adaptações em nossas vidas no mundo pós-pandêmico. Sem, é claro, fugir do perfil populacional, e do que já está em curso, como o aumento da procura por apartamentos menores por jovens solteiros, e a busca pelo equilíbrio entre o trabalho e o lazer, que afeta diretamente na escolha da residência fixa. 

Biopark, primeiro parque tecnológico na modalidade privada on demand side, localizado em Toledo, Oeste do Paraná (PR), e que reúne educação, pesquisa e negócios, está na vanguarda quando o assunto diz respeito às tendências imobiliáriaspois, também contempla setores planejados para áreas residenciais que estão em construção. Haverá condomínios residenciais além de comércios para suprir todas as necessidades dos moradores. “Costumo dizer que o Biopark é uma terra de oportunidades”, afirma o diretor de negócios do Biopark, Paulo Victor Almeida.

Com objetivos bem definidos, o parque tecnológico se consolida como um ambiente de alto nível para morar, estudar e fazer bons negócios. “O Biopark tem como  um de seus objetivos a melhora da qualidade de vida da população. Todo o parque, na verdade, é uma cidade planejada. A primeira parte da infraestrutura ficará pronta em dezembro deste ano”, ressalta Almeida.

Estima-se que em 30 anos, o empreendimento tenha uma população de 75 mil pessoas e gere mais de 30 mil postos de trabalho. O investidor e dono da Classe A Construtora e Incorporadora, Rafael Benelle, que atualmente está construindo os primeiros prédios residenciais do Biopark, afirma que é uma oportunidade única. “É uma novidade no mercado, por isso entramos sendo um dos primeiros a investir neste negócio, acreditamos que irá valorizar muito mais”.

Conheça as principais tendências para 2021

Busca por qualidade de vida e segurança

Cada vez mais, as pessoas desejam atrelar o crescimento profissional com a qualidade de vida, e isso inclui, na maioria das vezes, residir perto do trabalho, não precisar ficar horas no trânsito, ou até mesmo trabalhar de casa. Outra característica é a segurança e a facilidade, que implica em não precisar sair da residência ou dos arredores para trabalhar, ter lazer, fazer compras ou se reunir com amigos e familiares.

“Nós entendemos que neste contexto de pandemia, as pessoas querem ter conforto e uma área de lazer, então estão em busca de um condomínio que consiga unir isso com apartamentos de tamanho médio e um espaço que contemple tudo que o morador precisa, sem precisar sair de lá”, afirma Leandro Lopes, diretor comercial da Carrero, responsável pela construção do complexo Ipê, um residencial misto com duas torres, com 112 apartamentos e 10 lojas.

Condomínios bem planejados

Condomínios com área de lazer e espaço de convívio social são os preferidos das famílias, que podem usufruir da infraestrutura, principalmente, as crianças que aproveitam o playground, piscina e sala de jogos.

Para que a diversão dos menores não atrapalhe o descanso, bem como o trabalho dos adultos, os ambientes precisam ser planejados de forma inteligente. Um exemplo é colocar o salão de jogos e de festas na cobertura do prédio, ao invés de ficar no térreo, onde o som de música e conversas não atrapalhem os condôminos que estão em seus apartamentos. “As pessoas esperam uma área de lazer boa e planejada, mas que não cause impactos no bem-estar do morador, como, por exemplo, que evite ruídos do playground ”, alega Lopes.

Home office e novas necessidades 

Ao longo da pandemia, muitas pessoas e empresas notaram as vantagens de se trabalhar em casa.  Isso fez com que a procura por imóveis com espaço para home office aumentasse.  

“As pessoas passaram a estar mais tempo em casa e precisaram reorganizar suas rotinas, incluindo o home office. Isso aumentou procura por imóveis que atendem à necessidade de incorporar o local de trabalho dentro da residência”, explica o diretor da Carrero.

Outra consequência do fortalecimento do home office como opção permanente de formato de trabalho para muitas modalidades, é que algumas pessoas estão planejando migrar dos grandes centros urbanos para cidades e regiões mais tranquilas, e que, ao mesmo tempo, tenham uma boa estrutura. 

“Temos visto das tendências um autoconhecimento das empresas que passaram a enxergar o home office com outros olhos. Se analisarmos a área empresarial, o quanto demanda de espaço físico e o custo para manter os funcionários in loco é muito grande”, analisa Lopes.

Ambientes integrados

A tendência que vinha crescendo em anos anteriores, que também se manteve forte em 2020, de imóveis com layout de studio, com metragens menores e ambientes integrados, continua em alta para grande parte do público jovem e solteiro, e deve manter-se nos próximos anos.

 Atualmente, muitas incorporadoras estão investindo alto em modelos de apartamento com esse, pois além de atingir um público com o perfil já mencionado, também possui alta procura de investidores que adquirem mais de uma unidade para alugar.

Para conhecer as opções de investimento do Biopark, acesse: www.biopark.com.br/invista 

Fonte: Asessoria de Comunicação do Biopark