Saturday, June 6, 2020
Isenção e Verdade


Fica conosco, Senhor, pois já é tarde e a noite vem chegando

O evangelho narra a viagem de dois peregrinos a Emaús na noite de Páscoa. Eles nos representam principalmente neste tempo…

Por redacao gazeta , em Artigo , no dia24 de abril de 2020, 17:36h

O evangelho narra a viagem de dois peregrinos a Emaús na noite de Páscoa. Eles nos representam principalmente neste tempo sóbrio que vivemos. Sabemos somente o nome de um deles, Cléofas; eles simbolizam os discípulos de todos os tempos. A dificuldade em acreditar é parte de nossa vida. Temos fé, mas os acontecimentos e tudo o que imaginamos sobre Deus entram em conflito e o resultado é o desalento, o medo, a frustração…

A história começa com os dois discípulos partindo. Saindo de Jerusalém, eles se afastam do evento da Páscoa, do mistério de Cristo, da comunidade onde aprenderam a crer e esperar. A morte de Jesus pôs fim às esperanças de uma restauração nacional, que expulsaria os inimigos ocupantes, recuperando a soberania nacional de Israel.

O forasteiro os ajuda a reler a história de Jesus a partir dos grandes acontecimentos do povo de Israel. Eles começam a perceber que existe um plano maior traçado por Deus desde sempre. Há uma ligação profunda entre todas as histórias de modo que ela se torna a História da Salvação. Esta descoberta torna-se um momento de graça e muda tudo.

A história recontada começa a reconstruir a humanidade deles, a esperança vai retornando, os corações vão se aquecendo, a alegria vai surgindo em seus rostos. O Forasteiro, ao criar um círculo de confiança, “cura” os discípulos e eles começam a ver suas vidas e acontecimentos com outros olhos. É o que acontece conosco na Celebração Eucarística: a escuta da Palavra de Deus nos ajuda a perceber Deus em nossa vida para que possamos vivenciar em plenitude a ceia eucarística.

O ser humano vai até Deus com suas expectativas, suas queixas, suas decepções… Deus escuta sua história e a coloca em referência à única luz que pode dar sentido à vida com seus acontecimentos: o evento da Páscoa, a plenitude das Escrituras, em que tudo adquire uma nova dimensão e uma nova esperança.

O evangelho ressalta que a Palavra é frágil e a escuta é difícil. Porém a provocação é clara: Deus não nos coloca em teste, Ele se apresenta como mistério de uma Palavra que pede para ser aceita e acolhida. Sem ter consciência disso, os dois peregrinos ouvem a voz do viajante, abrem a porta e jantam com ele (Ap 3,20). Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando! Não é apenas um gesto agradável de hospitalidade oriental, mas também a pergunta que todo fiel faz a si mesmo quando a escuridão aumenta e o desejo de uma Presença se torna urgente.

O ápice da história está localizado ao redor da mesa. Quando ele estava à mesa “com eles”, ele pegou o pão, recitou a bênção, partiu e deu a eles. É um convite evidente a todos os leitores cristãos que reconheçam no banquete eucarístico o sinal por excelência da presença de Cristo. A Eucaristia é a fonte da novidade da Páscoa. Os olhos, finalmente abertos, agora podem reconhecer o rio da vida que corria sob uma história marcada pela dor e desespero. No momento do reconhecimento, Jesus desaparece da vista deles. Eles voltam para a comunidade transformados. A celebração eucarística é um evento comunitário. O Ressuscitado dá aos discípulos a celebração da Palavra e da Eucaristia como lugar de encontro com ele nos acontecimentos difíceis da vida, onde tudo parece desmoronar, Ele está ali nos revelando as Escrituras e oferecendo sua próprio corpo e sangue para que tenhamos vida e vida em abundância.

 

Dom João Carlos Seneme, css

Bispo de Toledo

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: