Saturday, June 6, 2020
Isenção e Verdade


Combate a dengue: Toledo aguarda chegada do inseticida

A Secretaria Municipal de Saúde de Toledo informa à população que o fumacê é uma ação regulamentada (Resolução 459/2014 SESA)…

Por redacao gazeta , em Cidade , no dia24 de abril de 2020, 16:42h

A Secretaria Municipal de Saúde de Toledo informa à população que o fumacê é uma ação regulamentada (Resolução 459/2014 SESA) e considerada bastante agressiva. A iniciativa é regulada e executada pelo Estado do Paraná, sendo autorizado a municípios em que a situação atenda critérios mínimos, como a alta infestação de mosquito Aedes Aegypti (acima de 4%) e casos confirmados autóctones (quando se adquiriu a doença no próprio município) na proporção de 300 notificações por 100 mil habitantes contando o ano epidemiológico (agosto a julho).

O município de Toledo solicitou a 20ª Regional de Saúde o apoio da aplicação de Bomba Ultra Baixo Volume acoplado a veículo (UBV), conhecido como fumacê, no dia 09 de março, quando o registro apontava 1041 casos, sendo 739 autóctones, conforme o protocolo do Ministério da Saúde.

De acordo com a 20ª Regional de Saúde a ação foi autorizada, no entanto demora se justifica na entrega do inseticida por parte do Ministério da Saúde, em Nota Técnica Nº 77/2019 e 103/2019 do CGARB/DEIDT/SVS/MS, o Ministério informa que o mosquito Aedes Aegypti criou resistência ao inseticida antigo (Malathion) utilizado na aplicação do Fumacê e determinou a substituição do mesmo pelo Cielo (Praletrina + Imidacloprida). Esta medida atrasou o abastecimento junto aos estados e municípios em todo território nacional.

Em todo o Paraná, há falta de inseticida para o combate ao Aedes aegypti, transmissor da dengue, da chikungunya e da zika. Sendo assim não tem alternativa para o Município de Toledo, a não ser aguardar a chegada do produto, pois a compra é regulamentada pelo Ministério da Saúde.

O número de casos da dengue é preocupante em todo o Paraná, e não apenas em Toledo que de acordo com boletim desta quarta-feira (22) registra 3.486 autóctones lembrando que esses números são desde o fim de julho de 2019, quando teve início o atual período epidemiológico. O Paraná já registra 114 mil casos de Dengue, sendo a pior situação epidemiológica da história do Estado.

Conforme os dados da SESA, os números de óbitos por dengue são os maiores já registrados em toda a série histórica da Secretaria da Saúde, que investiga e monitora a doença desde 1991. No âmbito da 20ª Regional de Saúde, municípios menores estão com a situação epidemiológica mais crítica que Toledo, pois o índice infestação é calculado pela “regra de 3 simples”: divide-se o número de casos autóctones confirmados pelo número de habitantes e multiplica-se por 100 mil habitantes.

Sobre as ações

A Secretaria de Saúde esclarece que 82 agentes de endemias seguem vistoriando as residências e orientação ao combate ao mosquito. Além das caçambas da Secretaria do Meio Ambiente que são instaladas periodicamente para o descarte de resíduos. Campanhas educativas também estão sendo veiculadas no sentido de conscientizar a comunidade no cuidado com o mosquito transmissor.

No entanto, a Secretaria reforça ainda que a medida mais eficaz de prevenção da dengue, zika e chikungunya é a eliminação dos criadouros do mosquito em locais que acumulam água parada. A participação da população é de fundamental importância, já que mais de 90% dos criadouros estão nas residências e comércios habitados em lixos domésticos. Outra orientação importante é o uso de repelente. Reafirmamos que a doença mata e combate-la é uma responsabilidade de todos.

Fonte: Secom/Pref. de Toledo

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: