Thursday, July 9, 2020
Isenção e Verdade


O cooperativismo e o crescimento do agronegócio paranaense

  Dilceu Sperafico*   O crescimento do agronegócio paranaense é fruto de fatores naturais, como solo fértil, topografia favorável, clima…

Por redacao gazeta , em Artigo , no dia3 de abril de 2020, 10:53h

 

Dilceu Sperafico*

 

O crescimento do agronegócio paranaense é fruto de fatores naturais, como solo fértil, topografia favorável, clima generoso e abundância hídrica, de iniciativas acertadas de agentes e instituições públicas e entidades e empresas agrícolas, somadas à tradição, vocação, dedicação, visão e tecnologia dos produtores rurais.

Entre as ações decisivas para o melhor aproveitamento do potencial produtivo do Estado, se destacaram o fortalecimento e modernização de cooperativas e empresas agropecuárias, visando o fornecimento de insumos, equipamentos, orientação técnica e mercado seguro e compensador aos agricultores.

As cooperativas, mesmo já sendo as maiores responsáveis pela transformação e exportação de alimentos do Paraná, estão anunciando investimento recorde de 3,8 bilhões de reais ao longo de 2020, dos quais  mais de 90% em unidades localizadas no próprio Estado e o restante no Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

O volume de investimentos será dividido entre 216 grandes, médias e pequenas cooperativas agropecuárias, integrantes da Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), sendo 75% superior aos recursos aplicados em 2019 e quase o dobro da média dos anos anteriores da última década, totalizando cerca de dois bilhões de reais.

Conforme dirigentes do Sistema Ocepar, a maior parte dos investimentos ou 2,1 bilhões de reais, será destinada às diversas cadeias produtivas da agroindústria paranaense.

Desse total, mais de 3/4 dos recursos serão concentrados na transformação da soja, ou 524 milhões de reais, enquanto a 449 milhões serão destinados ao abate de aves, 380 milhões ao abate de suínos e 271 milhões de reais à produção de lácteos.

De acordo com estimativa da instituição, cerca de 35% dos investimentos ou 1,35 bilhão de reais serão destinados à infraestrutura de armazenagem, logística e produção e distribuição de energia elétrica, utilizando fontes alternativas.

Atualmente as cooperativas agropecuárias do Paraná já respondem por mais de 50% da capacidade estática de armazenagem de grãos, carnes e derivados do Estado, totalizando 16,1 milhões de 31 milhões de toneladas, segundo o Sistema Ocepar. Com o investimento previsto para este ano, o objetivo é ampliar essa capacidade em 10%, atingindo a 17,7 milhões de toneladas.

Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os investimentos do setor devem elevar a produção da indústria de alimentos, que em 2019 teve sua maior expansão anual, de 8,8%, na comparação com 2018. O levantamento do instituto abrangeu o abate de animais e produção de carnes e derivados, pescados, biscoitos, achocolatados, balas, condimentos, massas, pães, sucos concentrados, óleos, laticínios, alimentos à base de milho, trigo, arroz, café e açúcar, entre outros setores, em todo o Estado.

Maior produtor de carne de frango, com abate recorde de 1,87 bilhão de aves em 2019, o Estado também busca liderança nacional na produção e exportação de carne suína e derivados.

Para isso, estão colaborando muito cooperativas agropecuárias e grandes agroindústrias do Oeste do Estado, aproveitando a capacidade dos produtores rurais da região, na transformação de proteína vegetal em proteína animal e contribuindo para superação da crise do Covid-19, em benefício de toda sociedade, paranaense e brasileira.

*O autor é ex-deputado federal pelo Paraná e ex-chefe da Casa Civil do Governo do Estado  E-mail: dilceu.joao@uol.com.br

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: