Friday, June 5, 2020
Isenção e Verdade


Auxílio emergencial de R$ 600 poderá começar a ser pago na semana que vem

  Mais de um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciar a sanção, o governo federal publicou…

Por redacao gazeta , em Geral , no dia3 de abril de 2020, 08:51h

 

Mais de um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciar a sanção, o governo federal publicou em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na noite desta quinta-feira (2) a lei que garante o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 por três meses.

O poder Executivo aguardava a edição da Medida Provisória que abriu crédito de R$ 98,2 bilhões para o Ministério da Cidadania. Os recursos virão da realocação de verbas que seriam destinadas ao pagamento da dívida pública interna. A expectativa é de que o auxílio comece a ser pago na semana que vem.

Apelidado de “coronavoucher”, o benefício será repassado a desempregados, trabalhadores informais, intermitentes e microempreendedores individuais. O valor pode chegar a R$ 1.200 em famílias chefiadas por mulheres.

De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a publicação da lei dependia de uma PEC que liberasse o orçamento necessário para bancar a medida. No entanto, o secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, anunciou nesta quinta que a publicação da lei não dependeria mais dessa PEC, após um parecer da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional baseada na decisão do STF de afastar os dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal e da Lei de Diretrizes Orçamentárias diante da situação de calamidade pública.

O governo tem pela frente o desafio de localizar quase 11 milhões de trabalhadores informais que hoje estão fora dos cadastros oficiais. A estimativa foi feita pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), que alertou para a necessidade de enfrentar o problema com “urgência proporcional à situação de calamidade”.

O governo ainda estuda como será feito o cadastro desses trabalhadores informais de forma que não haja irregularidades no pagamento do benefício. “É necessário desenvolver um meio tecnológico de cruzamento de dados entre Receita Federal, programas sociais, DataPrev, para que o perfil atenda às condições previstas na lei”, explicou uma fonte ouvida pela CNN.

A lei prevê a possibilidade de autodeclaração, cujo modelo ainda está sendo desenvolvido. Desde já, porém, os técnicos querem evitar qualquer etapa presencial, já que a recomendação das autoridades de saúde neste momento é pelo isolamento para conter a transmissão do novo coronavírus.

Além do auxílio emergencial, também será paga uma antecipação de R$ 600 a pessoas com deficiência que ainda aguardam na fila de espera do INSS até a concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado calcula que 30,5 milhões de trabalhadores serão beneficiados, com gasto estimado de R$ 59,8 bilhões em três meses. Inicialmente, o governo havia proposto um benefício de R$ 200 mensais.

Quem tem direito

Poderão solicitar o benefício maiores de 18 sem emprego formal e que não:

– benefícios previdenciários, como aposentadorias ou pensões;

– benefícios assistenciais, como o BPC;

– seguro-desemprego;

– qualquer programa federal de transferência de renda, exceto pelo Bolsa Família;

– renda mensal maior que meio salário mínimo (R$552,50) per capita ou renda familiar mensal maior que três salários mínimos (R$ 3.135);

– tenham recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018;

Para receber o auxílio, é preciso ser ou microempreendedor individual (MEI), ou contribuinte autônomo da Previdência ou ter sido registrado no Cadastro Único até 20 de março. Futuramente, também será possível preencher uma declaração a ser disponibilizada pelo governo.

No caso de beneficiários do Bolsa Família, dois membros da mesma família poderão acumular com o auxílio emergencial, que vai substituir o Bolsa temporariamente caso o valor seja mais vantajoso.

O projeto aprovado também inclui a proposta do governo de antecipação de um salário mínimo (R$ 1.045) a quem aguarda perícia médica para receber  auxílio-doença, mediante apresentação de um atestado médico.

Vetos 

O texto foi publicado com três vetos do presidente. O principal é o que ampliaria o BPC, que é pago a idosos e portadores de deficiência, e foi sugerido pelo Congresso no início deste mês. Segundo a equipe econômica, essa medida teria impacto de R$ 20 bilhões nas contas do governo.

O presidente também vetou um trecho que suspendia o auxílio emergencial para quem, ao longo dos três meses previstos, deixasse de atender aos pré-requisitos. O governo entendeu que isso contraria a ideia da medida, que é socorrer aqueles trabalhadores autônomos, sem renda fixa, além de exigir uma conferência desnecessária todo mês de pagamento do benefício.

O terceiro veto foi relacionado a uma regra que limitava a conta bancária por meio da qual o beneficiário receberia o auxílio. Pelo texto do Congresso, o recurso só poderia ser pago ao beneficiário em conta criada exclusivamente para receber pagamentos de programas sociais, PIS/Pasep e do FGTS.

Ampliação para outras categorias

O Senado Federal aprovou na quarta-feira (1º) um projeto de lei que amplia esse benefício para mais 20 categorias, entre elas pescadores, agricultores familiares, catadores de materiais recicláveis, taxistas e os mototaxistas, motoristas de aplicativo entre outras profissionais que não têm renda fixa, poderão receber a ajuda.

Esse texto também prevê que, além de mães solo, pais solo também poderão receber duas cotas, chegando a R$ 1.200. A matéria precisa passar pela Câmara dos Deputados antes da sanção presidencial. Fonte: Gabrielle Varela, Teo Cury e Anna Satie da CNN, em Brasília e São Paulo

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: