Friday, June 5, 2020
Isenção e Verdade


Governo estuda redução dos juros e aumento do prazo do consignado

Objetivo é enfrentar efeitos econômicos do coronavírus O governo federal vai propor três mudanças no empréstimo consignado de aposentados e…

Por redacao gazeta , em Economia , no dia16 de março de 2020, 15:17h

Objetivo é enfrentar efeitos econômicos do coronavírus

O governo federal vai propor três mudanças no empréstimo consignado de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) como medida de enfrentamento dos efeitos econômicos da epidemia de coronavírus no país. A informação é do secretário Especial da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco.

De acordo com o secretário, o Conselho Nacional de Previdência fará uma reunião extraordinária hoje (16) para discutir a redução do teto dos juros e a ampliação do prazo dos empréstimos consignados. “Estamos fechando qual seria o patamar do juro e do prazo”, disse Bianco, ao chegar ao Ministério da Economia, em Brasília.

Atualmente, a taxa de juros não pode ser superior a 2,08% ao mês e deve expressar o custo efetivo do empréstimo. Cada beneficiário pode ter, no máximo, nove contratos ativos, e o número de prestações deve ser de até  72 parcelas mensais e sucessivas.

Outra medida para combater os efeitos econômicos da Covid-19, que deve vir por meio de projeto de lei, é a ampliação da margem consignável, ou seja, da fatia do salário que pode ser comprometida com o empréstimo. Hoje a margem é de 30%. “Essa medida vai permitir que [o aposentado ou pensionista] não se endivide com outros [empréstimos] com juros maiores, e faz com que ele possa tomar empréstimos com juros mais baixos”, explicou Bianco.

Segundo o secretário, o projeto deve ser enviado entre hoje e amanhã (17) ao Congresso Nacional.

Os idosos e pacientes de doenças crônicas que fazem parte do grupo que mais causa preocupação com a pandemia da Covid-19. A baixa imunidade os deixa mais vulneráveis à ação do coronavírus e a complicações decorrentes dele, como síndromes respiratórias agudas graves.

De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, o Brasil tem 200 casos confirmados da doença e 1.913 em investigação.

Edição: Nádia Franco

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: