Saturday, June 6, 2020
Isenção e Verdade


Acusado de agredir e depois matar mulher em perseguição no trânsito em Toledo é preso e denunciado por feminicídio pelo MPPR

O Ministério Público do Paraná, a partir da 1ª Promotoria de Justiça de Toledo, apresentou nesta semana, em 4 de…

Por redacao gazeta , em Geral , no dia6 de março de 2020, 14:24h

O Ministério Público do Paraná, a partir da 1ª Promotoria de Justiça de Toledo, apresentou nesta semana, em 4 de março, denúncia criminal por feminicídio contra um homem acusado de agredir e causar a morte da mulher. O caso teve muita repercussão na cidade pois, a princípio, foi tratado como um acidente de trânsito. O MPPR também requereu a prisão preventiva do acusado, o que foi concedido pela Justiça – ele está preso desde fevereiro. A vítima tinha 34 anos.

Conforme a denúncia, na madrugada de 2 de fevereiro deste ano, motivado por ciúmes por conta de uma conversa de whatsapp, o réu agrediu a companheira, na casa onde moravam. Chegou a filmar a agressão e enviar para pessoas que teriam motivado a crise. Assustada, a mulher fugiu, entrou em seu carro e saiu da residência. O acusado passou a persegui-la, em outro veículo, dirigindo em alta velocidade, o que fez com que ela batesse de frente com um barranco, morrendo na hora. Como resume a Promotoria, “o denunciado deu causa direta à morte da vítima. O crime foi cometido por razões da condição de sexo feminino da vítima, como prática de violência doméstica e familiar, com inequívoco menosprezo à condição de mulher.”

Outras agressões – Consta também na ação penal que, no dia 4 de fevereiro, o acusado passou a mandar mensagens via aplicativo de celular com ameaças diretas à família da vítima, afirmando que quem estivesse com o celular dela, que continha as mensagens e fotos das agressões por ela sofridas, “deveria tomar muito cuidado ao expô-las às autoridades, pois ele ou alguém cobraria tal atitude, no presente ou no futuro”. O réu disse ainda, nessas conversas, que “teria sido criado em meio à malandragem, e teria um ‘papo reto, papo do crime, que não faz curva’.”

No pedido de prisão, o MPPR destaca que o acusado tinha um histórico de violência, com registro policial, por agressões físicas e verbais cometidas contra outras quatro pessoas – todas essas vítimas também eram mulheres. Como apontado pela Promotoria na petição, “Infelizmente, a quinta e última vítima não teve oportunidade de recorrer a justiça e registrar a violência que sofria”.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: