Sunday, July 12, 2020
Isenção e Verdade


“Vi uma multidão imensa, que ninguém podia contar, de toda nação, raça, povo e língua”

Ao celebrar a Solenidade de Todos os Santos e Santas neste dia 3/11, ultrapassando o limite do tempo e do…

Por redacao gazeta , em Artigo , no dia1 de novembro de 2019, 15:27h

Ao celebrar a Solenidade de Todos os Santos e Santas neste dia 3/11, ultrapassando o limite do tempo e do espaço, vislumbramos a glória de Deus. No início do cristianismo, os membros da Igreja eram chamados de “santos”. Por isso esta celebração nos recorda que a santidade é um projeto de vida ao alcance de todos, que se constrói no dia a dia à medida que vamos edificando a vida de discípulos missionários trilhando o caminho das bem-aventuranças.

Contudo, pode-se pensar que a santidade é uma condição reservada a poucos privilegiados. Na verdade, tornar-se santo é tarefa de todo cristão. São Paulo afirmou que “por meio de Cristo, antes da criação do mundo, Deus nos escolheu para que pelo amor fôssemos santos e irrepreensíveis em sua presença” (Ef 1,3-4). Todos os seres humanos são chamados à santidade que, em última análise, consiste em viver como filhos de Deus porque fomos criados a sua imagem e semelhança. Todos os seres humanos são filhos de Deus, e todos devem viver segundo esta vocação, através do caminho exigente da liberdade.

A Igreja sabiamente celebra a solenidade de todos os santos e a comemoração dos fiéis defuntos bem próximas. À nossa oração de louvor a Deus e de veneração de todos os santos e santas, que a liturgia nos apresenta como uma “multidão imensa, que ninguém podia contar, de toda povo, raça e nação” (Ap 7,9), une-se a oração por todos aqueles que nos precederam na passagem deste mundo à vida eterna.

Esta festa é para todos nós: a porta do céu se abre e nos faz assumir cada vez mais um compromisso profundo com mundo que nos cerca, porque é aqui e agora que devemos viver nossa vocação à santidade tendo diante de nós tantos testemunhos de pessoas como nós que nos precederam na fé e hoje são reverenciadas como santos e santos. Eles se tornam modelo de fidelidade do amor porque viveram a vida a partir do amor a Deus e aos irmãos e irmãs de todos os tempos.

As bem-aventuranças se tornam um projeto de vida, um modelo de seguimento para quem quer viver nesta vida segundo os critérios de Deus. O discípulo de Jesus é santo por ser pobre no espírito, manso, sedento e faminto de justiça, misericordioso, puro de coração e pacífico. As perseguições jamais o intimidam. Injuriado, perseguido e vítima da mentira, segue adiante sem se intimidar (Pe. Jaldemir Vitório).

Santidade e bem-aventuranças se encontram e se tornam sinônimos. A santidade nasce da consciência de que tudo é graça e que a paz nasce da certeza de que o projeto de Deus se revela nos humildes e pacificadores, nos perseguidos e nos justos.

No centro da assembleia dos santos e santos brilha a Virgem Maria. Colocando a nossa mão na sua, sentimo-nos animados a caminhar com mais empenho na vida de santidade. Confiamos a Ela o esforço de cada dia e rezamos também por todos os nossos queridos irmãos e irmãs que partiram desta vida, na confiança de que nos encontraremos todos juntos na comunhão gloriosa dos santos e santas.

Dom Joao Carlos Seneme, css

Bispo de Toledo

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: