Saturday, July 4, 2020
Isenção e Verdade


Os benefícios do projeto de ampliação do transporte ferroviário

Dilceu Sperafico*             Os produtores e exportadores de alimentos do Paraná, que estão entre os maiores do mundo, têm novas…

Por redacao gazeta , em Geral , no dia4 de outubro de 2019, 13:02h

Dilceu Sperafico*

            Os produtores e exportadores de alimentos do Paraná, que estão entre os maiores do mundo, têm novas razões para investir cada vez mais em qualidade, produtividade e sustentabilidade de suas atividades, pois há a possibilidade de grandes ganhos em competitividade, já na próxima década.

Esse avanço, como se sabe, é decisivo no mercado globalizado e cada vez mais exigente e concorrido. A boa notícia, anunciada recentemente por integrantes do Plano Ferroviário Paranaense, prevê a expansão em 500% ou cinco vezes o atual volume de carga escoada por trens desde as regiões produtoras até terminais do Porto de Paranaguá, no litoral do Estado.

O grupo de trabalho, formado por representantes do Governo do Estado, indústria, comércio, agricultura, operadores do sistema e empresas de engenharia, está elaborando o chamado Plano Ferroviário Paranaense e elegeu como meta atingir 50 milhões de toneladas transportadas anualmente até o Porto de Paranaguá em 2030.

Para isso, segundo seus dirigentes, o sistema de transporte ferroviário de cargas do Estado e Sul e Sudoeste do País terá de passar por grandes transformações nos próximos 10 anos, quintuplicando o volume de cargas conduzidas por trens até o Porto de Paranaguá, o maior exportador de produtos agrícolas do País, até 2030.

O estudo deverá estar concluído até o fim deste ano, com a definição de objetivos de curto, médio e longo prazos, previsão de investimentos e atribuições de cada setor nessa empreitada fenomenal.

            Na elaboração dos projetos estão sendo buscadas e avaliadas soluções para alguns gargalos históricos do escoamento através de ferrovias da produção agrícola do Estado, especialmente no trecho da Serra da Esperança, entre as cidades de Guarapuava e Ponta Grossa, e na descida da Serra do Mar, entre a capital Curitiba e o Porto de Paranaguá.

Outros desafios, incluem a construção de novos trechos de ferrovias, como entre as cidades de Cascavel e Guaíra, no Oeste do Paraná, prosseguindo até Dourados, no Mato Grosso do Sul, e até o Paraguai, passando por Foz do Iguaçu, após estudos que avaliam a viabilidade técnica e econômica desses empreendimentos.

            Conforme membros do grupo de trabalho, a malha ferroviária do Paraná tem a extensão de 2,4 mil quilômetros em diversas regiões e com dimensões diferentes entre os trilhos. 

A Ferroeste (Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A.) Foto: Jorge Woll/DER

A empresa Rumo detém a concessão até 2027, de mais de dois mil quilômetros, o equivalente a 85% das atuais linhas ferroviárias. Os demais 249 quilômetros, em trecho que liga Cascavel a Guarapuava, são administrados pela Estrada de Ferro Paraná Oeste S/A ou Ferroeste, empresa de economia mista, controlada pelo Governo do Estado.

            Pelas informações disponíveis, as primeiras ações do Plano Ferroviário Paranaense começam pela substituição de dormentes e trilhos em trechos onde a manutenção vem sendo realizada de maneira precária nos últimos anos.

No médio prazo, o empreendimento inclui a modernização de equipamentos, como locomotivas e vagões, além da implantação de terminais de transbordo modernos e eficientes.

            Com os avanços previstos, no curto e médio prazo, o volume de carga escoado até o Porto de Paranaguá, atualmente em torno de 10 milhões de toneladas por ano, deverá ser dobrado ou até chegar a 25 milhões de toneladas, beneficiando o agronegócio e a indústria de transformação do Estado e do Sul do País.

*O autor é ex-deputado federal pelo Paraná e ex-chefe da Casa Civil do Governo do Estado

  E-mail: dilceu.joao@uol.com.br

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: