Monday, June 1, 2020
Isenção e Verdade


Raiva animal exige vacina e alerta no campo e na cidade

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) promove nesta quarta-feira (25), em Medianeira, no Oeste do Estado, o Encontro…

Por redacao gazeta , em Estadual , no dia23 de setembro de 2019, 13:48h

Clique Aqui


A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) promove nesta quarta-feira (25), em Medianeira, no Oeste do Estado, o Encontro Paranaense de Vigilância e Prevenção da Raiva, na Associação de Funcionários da Cooperativa Lar.

O encontro é parte de uma série de eventos que ocorrerão nesta semana para lembrar 28 de setembro como Dia Mundial contra a Raiva. A solenidade terá participação de representantes da Secretaria de Estado da Saúde, que abordará a vigilância e prevenção da doença. Toda a comunidade urbana e produtores rurais são convidados.

CICLO RURAL – Segundo o coordenador da área de Vigilância e Prevenção da Raiva dos Herbívoros da Adapar, Ricardo Vieira, um dos objetivos do encontro é esclarecer a tarefa que cada um tem no combate à doença. “A sanidade dos rebanhos é responsabilidade de todos”, afirma. “Vacinar os animais é a forma mais eficaz de prevenir essa doença viral”. Ela é transmitida aos animais de produção por meio da saliva do morcego hematófago (que se alimenta de sangue), seu principal hospedeiro.

Entre os sintomas mais visíveis estão o andar cambaleante, mugido constante, falta de apetite e salivação intensa até a morte, que ocorre em até 10 dias. Vieira alerta os produtores para que chamem um servidor da Adapar quando perceberem alguma mudança de comportamento do animal e também depois que ele morreu para os procedimentos de exame. Este ano, das 226 coletas feitas pelos técnicos da Adapar, 75 resultaram positivas.

Comprovada a raiva, as propriedades vizinhas são visitadas para ampliar o alerta, vacinar os animais que eventualmente não tenham recebido a imunização e identificar possíveis abrigos de morcegos. “É preciso estar consciente de que a vacina protege o animal”, reforça Vieira. Muitos agropecuaristas aplicavam a vacina durante a campanha de combate à aftosa. Com o fim da vacinação para essa doença, há necessidade de o proprietário rural estar mais alerta em relação à raiva. Ele deve vacinar o rebanho pelo menos uma vez ao ano. Se for a primeira dose, deve ser repetida 30 dias depois.

CICLO URBANO – O Paraná é definido epidemiologicamente como área livre de raiva canina (AgV1 e AgV2). Pelos padrões da Organização Mundial da Saúde, esse status é conquistado quando não foi verificado nenhum caso de infecção autóctone de vírus da raiva canina em humanos, cães, gatos ou qualquer outra espécie animal durante os dois anos anteriores. O último caso dessa variante de raiva foi registrado em 2005.

Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Controle da Raiva, Tatiane Dombroski, os morcegos também estão na área urbana e representam o maior risco para infecção por raiva tanto para os animais quanto para o homem. “Por esse motivo, a Secretaria de Estado da Saúde recomenda que os tutores de cães e gatos busquem um médico veterinário e vacinem os animais todos os anos”, afirmou.

Diante da situação epidemiológica do Estado, as normas internacionais não indicam campanha de vacinação, mas sim a realização de bloqueio vacinal em área de foco em casos de raiva canina. Dessa forma, o tutor ficará responsável pela vacinação dos seus animais de estimação.

A raiva é uma doença endêmica na América do Sul, que pode ser transmitida pela saliva de um mamífero infectado. A morte é inevitável em praticamente todos os casos de comprovação da enfermidade. Por isso, a importância de atitudes preventivas, como a vacinação e o contato com a Unidade Local da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), no caso de animais de produção, e com a Secretaria Municipal de Saúde, no caso de outras espécies de mamíferos.

ORIENTAÇÕES À POPULAÇÃO

– Evite tocar em qualquer morcego, vivo ou morto.

– Os morcegos são animais de hábitos noturnos. Quando encontrados caídos ou voando durante o dia, podem estar doentes, com o vírus da raiva.

– O contato direto com morcegos por toque, arranhões ou mordidas é grave. Caso isso aconteça, procure a unidade de saúde mais próxima.

– Qualquer espécie de morcego pode transmitir o vírus da raiva, não apenas o hematófago.

– É importante a vacinação anual contra raiva de cães e gatos, mesmo para animais idosos e que não tenham acesso às ruas.

– Para humanos, não há indicação de vacinação prévia, com exceção dos profissionais que trabalham na área e com manejo de animais, conforme avaliação baseada no protocolo do Ministério da Saúde.

No caso de sofrer qualquer tipo de agressão por animais mamíferos:

– Lave o ferimento imediatamente com água corrente e sabão.

– Procure rapidamente uma unidade de saúde.

-Faça o tratamento quando for indicado sem faltar às vacinações.

– No contato com morcego (lambedura, mordedura ou arranhão), ou no caso de acordar com o animal caído dentro do quarto de dormir, procure o serviço de Saúde para avaliação do caso.

SERVIÇO: Encontro Paranaense de Vigilância e Prevenção da Raiva.

Data: 25 (quarta-feira).

Horário: 8h30 às 15 horas.

Local: Associação dos Funcionários da Cooperativa Lar – Avenida 24 de outubro, 59 (margem da BR 277, Km 669) – Medianeira – Paraná.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: