Monday, June 1, 2020
Isenção e Verdade


Cordilheira brasileira submarina é laboratório para a descoberta de espécies e ecossistemas

Imagens inéditas feitas durante expedição cientifica na Cadeia Vitória-Trindade revelam um dos melhores ambientes marinhos para o estudo dos processos…

Por redacao gazeta , em Geral , no dia16 de setembro de 2019, 09:39h

Clique Aqui


Imagens inéditas feitas durante expedição cientifica na Cadeia Vitória-Trindade revelam um dos melhores ambientes marinhos para o estudo dos processos de evolução e origem da vida nos oceanos

A bordo do veleiro polar Paratii 2, cientistas da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), da Universidade Vila Velha (UVV) e da California Academy of Sciences descobriram novas espécies e ambientes marinhos durante as navegações na Cadeia Vitória-Trindade. A cordilheira submarina, que liga a costa do Brasil às ilhas de Trindade e Martin Vaz, no Espírito Santo, é um dos melhores ambientes marinhos do mundo para estudo dos processos de evolução e origem da vida nos oceanos.

Organizada pela Associação Ambiental Voz da Natureza, com o apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a última expedição, realizada por 14 dias em 2018, registrou espécies como os budiões endêmicos Sparisoma rocha e Halichoeres rubrovirens, que não são encontrados em nenhum outro lugar no mundo além da Cadeia Vitória-Trindade. Imagens submarinas inéditas feitas pelos pesquisadores mostram a riqueza de espécies, cores e ecossistemas marinhos que existem entre 20 e 100 metros de profundidade.

“Expedições como essa nos permitem conhecer e estudar lugares intangíveis, descobrir novas espécies e até mesmo novos ambientes. A geografia da Cadeia Vitória-Trindade, perpendicular à linha de costa, a torna um importante laboratório natural, abrigando populações conectadas e outras completamente isoladas e diferentes. Nossas descobertas chamam a atenção para a singularidade desses ecossistemas remotos, que necessitam de cuidados especiais a fim de garantir um desenvolvimento sustentável na região”, afirma Hudson Pinheiro, coordenador do projeto e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza. A próxima expedição, desta vez para o arquipélago de Fernando de Noronha, está marcada para 15 a 31 de outubro de 2019.

As informações coletadas pelos pesquisadores contribuem com políticas públicas e privadas para a proteção de áreas naturais que abrigam importante diversidade de flora e fauna. O projeto e os diversos estudos conduzidos pelos pesquisadores contribuíram diretamente para a criação e o ordenamento de Unidades de Conservação Marinhas que protegem o monte submarino Columbia, o arquipélago de Martin Vaz e parte da Ilha da Trindade. “Ainda temos um longo caminho pela frente, sobretudo em relação ao ordenamento e fiscalização das recém-criadas Unidades de Conservação Marinhas”, alerta o pesquisador Caio Pimentel, da UFES. “A colaboração e parceria com a Marinha do Brasil e o ICMBio são fundamentais para a continuidade das pesquisas, fiscalização e preservação destas ilhas tão longínquas”, afirma o pesquisador da UFES João Luiz Gasparini, pioneiro nas pesquisas com o uso de mergulho autônomo em Trindade.

Segundo o coordenador de Ciência e Conservação da Fundação Grupo Boticário, Robson Capretz, as pesquisas e o desenvolvimento de estratégias de conservação para áreas marinhas são de extrema importância para manter os ecossistemas em equilíbrio. “Esses ambientes abrigam muitas espécies de algas, esponjas, invertebrados e corais. Todos são importantes para haver um equilíbrio ecossistêmico. Com o turismo desordenado e a sobrepesca, as chances de reduzir populações e gerar um desequilíbrio ambiental e até econômico aumentam”, afirma. Fonte: Assessoria Boticário.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
%d blogueiros gostam disto: